Rádio Observador

Turismo

Os dez destinos turísticos mais procurados… no futuro

284

Vale de Elqui, no Chile, para ver as estrelas. Taos para fazer ski. Filipinas ou Maldivas, mas também Macedónia e Mongólia. O futuro do turismo passa por aqui.

AFP/Getty Images

Os próximos dez anos prometem grandes mudanças no paradigma mundial. O turismo não escapa à tendência e existem países e regiões que têm crescido tanto que podem tornar-se os novos pontos de viagem mais procurados pelos turistas. Seja pela beleza natural ou pela história, estes são os dez destinos turísticos com preço acessível em que o Huffington Post aposta para estarem no topo das preferências turísticas em 2025. Mas pode começar já a preparar as malas.

Filipinas

São trezentos quilómetros de território compostos por mais de sete mil ilhas. As Filipinas são um dos maiores arquipélagos da Ásia, o que mereceu uma disputa mundial por elas: primeiro foram os espanhóis que tiveram este paraíso na Terra nas mãos – no reinado de Filipe II. Depois foram os Estados Unidos e, mesmo depois já de terem conquistado a independência, as Filipinas foram disputadas pelos japoneses na II Guerra Mundial. Os cem milhões de habitantes fazem deste país o sétimo mais populoso da Ásia.

Macedónia

Num recanto europeu, a República da Macedónia tornou-se independente em 1991, deixando de fazer parte da Federação Jugoslava. Foi com Alexandre Magno que o país conheceu o apogeu, quando se tornou ponto central da dispersão da cultura grega. Na verdade, a Macedónia tem uma grande região de influência grega – a maior do país -, com capital em Salónica, a 500 quilómetros de Atenas. São muitos os pontos turísticos na Macedónia, mas pode destacar-se o lago Ohrid, com três milhões de anos e um pôr do sol memorável.

Vale de Elqui, Chile

Vinhas na terra, estrelas no céu. O Vale de Elqui, no Chile, é muito procurado pelos amantes da astronomia, por se apresentar como um local de excelência para a observação das estrelas do hemisfério sul. Ao longe ouve-se o som do rio Elqui, que resulta na junção de dois outros rios com origem nos Andes. Conhecem-se muitos relatos de atividade extraterrestre no Vale de Esqui, a maioria vindas das comunidades esotéricas da região.

Grande Barreira de Coral, Austrália

Dois mil quilómetros de vida marinha fazem da Grande Barreira de Coral uma das sete maravilhas do mundo. Os quase três mil recifes e seis centenas de ilhas podem ser vistas do espaço: é a maior estrutura viva do planeta, mas também uma das que mais sofreu com as alterações climáticas que se fizeram sentir nos últimos anos. É que todos os seres vivos que habitam na barreira ao longo da costa australiana são afetados pela acidez da água e pela sua temperatura, por exemplo.

Taos, Novo México

“Madeira vermelha” é o significado do nome da cidade do Novo México na língua Tiwa. Quem visita Taos conhece o coração de uma comunidade de índios americanos, que terá pouco mais de cinco mil pessoas. As montanhas cobertas de neve tornam Taos num bom destino para desportos de neve: este ano, a pista de ski já tem 14 mil metros quadrados e áreas de alojamento melhoradas. Uma evolução que está debaixo do olho dos amantes de viagens.

Malawi

Conquistou a independência em 1964, quando se libertou das mãos do Reino Unido. Agora é uma república presidencial com as temperaturas mais altas do continente africano e com um lago a oriente que se chama “nascer do sol” na língua cinyanja. É também um local – Património Mundial da UNESCO – com potencial para ser explorado para combustível, nomeadamente petróleo e gás. Os parques naturais e reservas de vida selvagem crescem a olhos vistos, tornando o Malawi num destino importante nos próximos anos.

Bolívia

A economia da Bolívia está a ter um dos maiores crescimento da América do Sul e isso despertou a atenção internacional, turismo incluído. Este país tem duas capitais – Sucre é a capital constitucional e La Paz a executiva – e três línguas oficiais. Além do castelhano, também se fala aimará e quichuá, de origem indígena do Império Inca. Não podia ser de outra maneira: 55% da população é indígena. A Bolívia também conquista os viajantes pelo estômago, graças à imensa variedade de frutas e legumes no país.

Maldivas

Estiveram sob domínio português no século XVI e também sob domínio holandês e britânico. Alcançaram a independência em 1968, mas nem por isso têm uma democracia aduta. De resto, o estilo de vida é muito pitoresco: como não há água doce nas Maldivas, é retirada do mar e dessalinizada numa fábrica. Toda a eletricidade é produzida por geradores. Das quase 1200 ilhas das Maldivas, apenas 203 são habitadas e algumas têm menos de cem pessoas. A areia fina e a água do mar que chega aos 30 graus são características mas apreciadas pelos turistas.

Mongólia

Se as Maldivas são um território que só conhece o mar, a Mongólia é o segundo maior país da Terra sem costa. Os três milhões de habitantes são vizinhos da Rússia e da China e vivem entre as altas montanhas e o deserto de Gobi. Pouco menos de um terço da população é nómada, uma percentagem semelhante à que vive eme estado de subnutrição. O inverno muito rigoroso torna a Mongólia num país praticamente virgem no que toca ao turismo, mas a tendência pode mudar nos próximos anos com a crescimento da economia do país.

Ilhas de Koh Rong e Koh Rong Samloem, Camboja

É a serenidade destas ilhas que chama os turistas para o Camboja. As águas são calmas, transparentes e a areia branca e fina. Como é um paraíso remoto do planeta, ainda não foi descoberto por muitos turistas, por isso a tranquilidade continua a ser um dos aspetos mais apreciadas de Koh Rong e Koh Rong Samloem. E os preços também.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)