Jorge Jesus não recebeu qualquer prémio de assinatura do Sporting. Nem sequer o pediu. O clube de Alvalade também não terá pago cheques ou prestado quaisquer garantias bancárias ao treinador, como chegou a ser noticiado. O clube juntou muitos euros e teve que investir forte para garantir a contratação de JJ — fala-se que o contrato de três anos valerá perto de 18 milhões –, mas fonte da direção garante ao Observador que o Sporting não está obrigado a vender jogadores para equilibrar a balança. Porquê? Posto de forma simples, porque os leões, hoje, respiram bem. Ou, pelo menos, melhor do que antes.

O Sporting, dizem as contas que o clube apresentou, em março, relativas ao terceiro trimestre desta temporada, fechou os primeiros nove meses do ano com 22,1 milhões de euros de lucro. Os leões passaram a ter mais oxigénio para encher os pulmões e, com isso, tomaram uma decisão: acabar com a política de contenção e investir. É por isso, sabe o Observador, que a direção do clube decidiu apostar num treinador com vários canecos conquistados, ao invés de, por exemplo, comprar dois jogadores por uma quantia semelhante. Existe a sensação, aliás, que caso os leões o tivessem feito, o alarido não seria tanto. Fonte da direção diz que não houve qualquer “truque na manga”, como um investidor externo ou um acionista a injetar dinheiro no clube, para assegurar a contratação de Jorge Jesus.

Além deste oxigénio, a direção de Alvalade tem umas quantas botijas de ar guardadas, caso o clube venha a precisar de dinheiro nos próximos meses. Essas botijas existem em forma de jogadores como William Carvalho, Islam Slimani ou Fredy Montero, com quem o Sporting acredita poder encaixar entre 50 ou 60 milhões de euros. Isto caso, lá está, seja necessário. Porque as propostas, por estes e por outros futebolistas, têm aparecido e o clube, por enquanto, apenas as encara como uma opção de emergência. A prioridade é manter o maior número de botijas possíveis para que, depois, seja Jorge Jesus a decidir o que fazer com elas.

O treinador está de férias e só começa a trabalhar a partir de 1 de julho — Jesus tem contrato com o Benfica até 30 de junho. Mas não é por isso que deixa de pegar no telemóvel para falar com Bruno de Carvalho. O técnico até já conhece bem o plantel do Sporting, tão bem que terá surpreendido o próprio presidente. Os leões, ao contrário das últimas temporadas, e também face ao investimento feito em Jorge Jesus, só deverão contratar dois ou três jogadores com alguma experiência — e manter os que já lá estão. Entre eles André Carrillo, o peruano que tem La Culebra (cobra) como alcunha e que ainda não renovou contrato com o Sporting. Antes da oficialização de JJ, fonte do clube dizia que o extremo tinha carinho pela equipa, mas que não estava com muita vontade de ficar. Um sentimento que, entretanto, talvez já possa ter mudado.

Afinal, o peruano e todos os outros jogadores passarão a ser treinados por alguém que, nos últimos seis anos, conquistou dez títulos. Jesus sabe o que é ganhar e, para o fazer, gosta de tudo poder controlar. É por isso que a direção não tem muitas dúvidas de que JJ terá mais poder e responsabilidade no clube do que os seus antecessores. E poderá não ter o que Leonardo Jardim e Marco Silva tiveram — a companhia de Bruno de Carvalho no banco de suplentes, durante os jogos. O Observador sabe que o presidente está a ponderar deixar de assistir às partidas da equipa com a equipa técnica, embora tal não se deva, necessariamente, a um pedido feito por Jesus.

A política de contenção que o Sporting seguiu nas últimas duas épocas fez com que agora haja oxigénio para respirar em Alvalade. E mais poderá estar a caminho — o clube, neste momento, está sobretudo focado em garantir um patrocinador principal para a próxima época, já que o contrato com a PT cessa esta temporada. O naming do estádio, por exemplo, é outra das opções que estão a ser pensadas pela direção, mas ainda não existe qualquer proposta para ser apresentada aos sócios do clube de Alvalade.

Outras coisas, mas não muitas, poderão mudar. Uma delas é Augusto Inácio. Os leões deverão revelar esta quarta-feira o futuro do ainda diretor da SAD para o futebol.