436kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

O fenómeno das malas inspiradas em Harry Potter

Este artigo tem mais de 5 anos

Julie Deane, mãe de dois filhos, encontrou numa mala a solução para pagar as contas do colégio privado de ambos os filhos. Tudo começou quando leu uma descrição de uma mala num livro do Harry Potter.

A ideia surgiu quando Deane estava a ler os livros do Harry Potter para ambos os filhos
i

A ideia surgiu quando Deane estava a ler os livros do Harry Potter para ambos os filhos

A ideia surgiu quando Deane estava a ler os livros do Harry Potter para ambos os filhos

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Ler um livro, imaginar e concretizar. Foi isso que bastou a Julie Deane para montar um negócio de malas com base nas populares aventuras do jovem feiticeiro Harry Potter.

Tudo começou em 2008, quando Julie Deane descobriu que a sua filha de 8 anos era vítima de abusos na escola. Ela e o seu marido tomaram a decisão de retirarem os seus filhos da escola pública. Como não encontraram outra escola pública na sua zona de residência, o casal colocou a filha Emily e o seu filho Max, de 6 anos, num colégio privado.

Deane, decidida a conseguir pagar o colégio privado dos filhos, decidiu pôr as mãos à obra e criou o seu próprio negócio. “Sou uma pessoa muito lógica e um rato de biblioteca, por isso fui logo para o meu computador e fiz uma lista das dez coisas que eu poderia fazer para pagar o colégio”, declarou Deane à BBC, que já tinha experiência laboral na contabilidade.

1381519_10153155181672459_7663684619014355490_n

Deane e as suas criações (fotografia retirada do Facebook)

Fez um ranking de todas as suas ideias, considerando o potencial de crescimento, o investimento necessário e a facilidade de fazer dinheiro. Aquela que pareceu mais apelativa foi um negócio de bolsas escolares de coro, com um design clássico.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A ideia surgiu quando Deane estava a ler os livros de Harry Potter para ambos os filhos. Durante a leitura, uma descrição suscitou uma imagem mental de uma bolsa. Nesse momento, Deane quis comprar as bolsas que os jovens feiticeiros usavam. Procurou, procurou, mas não conseguiu encontrar o que procurava. Por isso, em 2008, investiu 1000 dólares e lançou uma empresa de malas. Produzindo, na sua cozinha, as malas que imaginara durante a leitura de Harry Potter.

The Cambridge Satchel Company, o fenómeno das bolsas que passam da cozinha para as fábricas

Deane cria então The Cambridge Satchel Company. Os primeiros dias do negócio foram conturbados, devido a problemas de logística. Mas bastou o site ser lançado para verificar que tinha centenas de pedidos.

“Não queria acreditar. Tudo graças a um artigo do jornal The Guardian, que sugeriu a minha mala numa lista de ideias para presentes de Natal”, disse Deane.

De 2011 para cá já têm uma fábrica no sul de Inglaterra e já expandiram o seu negócio para mochilas, carteiras e capas para o telemóvel.

O preço das malas varia entre 85 doláres e 350 doláres, dependendo da qualidade do couro e do tamanho da mala. O negócio já captou a atenção de inúmeros investidores: 21,5 milhões de dólares investidos.

Atualmente, o sucesso é evidente. Vendem bolsas em mais de cem países e são populares entre muitas celebridades, como Taylor Swift e o Príncipe William.

Loja Observador Lifestyle

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.