Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Escreve-se yuccie e pronuncia-se yucky. O termo ganhou protagonismo quando o seu inventor, David Infante, o divulgou num artigo publicado no Mashable que, só nas primeiras 24 horas, teve 90 mil partilhas (até ao momento, conta com quase 160 mil). A expressão parece ter invadido a internet e ganho a adesão da imprensa internacional, que a reproduz em sucessivos artigos.

Mas o que é, então, um yuccie? De acordo com o seu autor, é uma espécie híbrida que se preocupa com prestígio e é materialista, à semelhança dos yuppies dos anos 1980, mas que estima a criatividade e a autonomia, tal como os hipsters que dominaram o início dos anos 2000, escreve o site Yahoo Finance. O Business Insider acrescenta que os yuccies procuram trabalhos que os satisfaçam e que permitam pagar as contas — são, por norma, trabalhos criativos e estimulantes.

“Um yuccie é um jovem urbano e criativo”, explica Infante. “É alguém que é impulsionado pelas mesmas preocupações de carreira que os yuppies tinham há 20 anos, mas com o impulso criativo de um hipster. Eles querem ser conhecidos pelas suas habilidades.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

É, pois, possível identificar um yuccie com base nas escolhas de carreira: estão dispostos a fazer sacrifícios de modo a explorar caminhos mais criativos; preocupam-se mais com o reconhecimento da sua visão do que com o dinheiro e querem ser vistos enquanto vencedores. “As pessoas da minha faixa etária insistem em encontrar caminhos de modo serem, por conta própria, criativos e bem-sucedidos”, acrescenta Infante.

E caso haja dúvidas, é uma questão de consultar o artigo original, onde o autor escreve: “Em poucas palavras, [os yuccies] são uma fatia da geração Y, nascida do conforto suburbano, doutrinados com o poder transcendente da educação e infetados pela convicção de que não só devem seguir os seus nossos sonhos, como lucrar com eles”.