Aqui está um político que pensa a longo prazo e não tem medo de ser pouco popular. Rick Falkvinge defende que devemos celebrar a destruição de empregos, porque ela é um sinal de progresso; que o modelo económico atual está estragado e já não serve para as necessidades da economia digital; que há pessoas que não querem trabalhar e que mais vale pagar-lhes para não o fazer do que manter artificialmente trabalhos sem valor; que a União Europeia pode ser um bom exemplo nestes tempos de globalização digital.

Rick Falkvinge não é, garantidamente, um político típico – e não será um em quem possa votar. Nascido na Suécia, fez carreira na área da engenharia e do software. Fundou o Partido Pirata original em 2006 e apresentou-se às eleições com uma agenda política virada para a cultura digital: exigir o direito à privacidade, reformar o sistema de direitos de autor e defender a cultura de conhecimento livre.

O resultado foi avassalador. Nas eleições para o Parlamento Europeu em 2009, o Partido Pirata sueco atingiu os 7% e elegeu dois deputados. Foi o partido que recolheu mais votos entre os jovens e tomou de assalto a vida política sueca com a defesa de bandeiras próprias da geração dos “millennials”, que geralmente se considera ter nascido entre a última década do século passado.

O princípio lógico era muito simples: defender que os direitos de um cidadão digital hoje devem ser precisamente iguais aos de alguém que há cem anos mandava uma carta. Essa carta era privada, não podia ser violada por ninguém e lá dentro poderia estar qualquer documento legalmente adquirido – como por exemplo um livro. Hoje, como se sabe, não é isso que se passa: a correspondência digital é rotineiramente devassada pelo Estado e é ilegal enviar um ficheiro de texto (como um livro) ou de áudio (como faixas de música) compradas de forma legal.

[jwplatform MWBPKTME]

Entretanto o Partido Pirata cresceu e espalhou a sua influência pela Europa – da Suécia espalhou-se para a Alemanha, Áustria, Polónia, República Checa, Islândia… A organização internacional alberga representantes de 42 países, entre partidos legalmente registados e associações pró-partidárias – como se verifica na Rússia, na Índia, no Brasil e… em Portugal. Esta expansão levou a menor capacidade do partido na Suécia, que perdeu os dois eurodeputados na eleição europeia de 2014, compensada pela entrada de uma representante alemã no Parlamento Europeu.

Reconhecendo que “conquistar o poder não é o mesmo que manter o poder”, Falkvinge abandonou o partido e tornou-se um evangelista internacional pela democracia digital, desdobrando-se em entrevistas e conferências um pouco por todo o mundo. A questão do apelo geracional mantém-se, as bandeiras defendidas pelo Partido Pirata apelam à “geração da internet” mas dizem pouco aos outros. Embora o tempo jogue a seu favor, isso não ajuda a aumentar a representação política nos ideais dos Piratas. Nem isso, nem a crise que assola as economias europeias, porque Falkvinge também reconhece que “é uma questão de prioridades: ninguém se vai preocupar com os direitos digitais se a primeira preocupação é por comida na mesa.” Ainda assim, confia na relevância das bandeiras que defende:

[jwplatform wtitOAIp]

E é aqui que se pode notar a maturação da proposta política dos Piratas. Não só explicam a urgência das decisões justificando com problemas reais como se antecipam às mudanças sociais que a tecnologia poderá impor. A questão, diz Falkvinge, é lidar com as “mudanças inevitáveis que a sociedade digital vai impor” no mundo como o conhecemos. Falkvinge não tem problemas em lidar com o politicamente incorreto: defende as ideias da destruição criativa admitindo as consequências num discurso que é tudo menos eleitoralista.

[jwplatform DqTBAU89]

Valorizar economicamente a criatividade é uma das premissas da economia digital. Exatamente como defender a substituição de empregos que possam ser melhor executados por máquinas, o que irá provocar taxas de desemprego bem maiores do que as atuais, algo que Falkvinge diz não ser um problema: basta reconhecer que algumas pessoas preferem mesmo não trabalhar e que será mais prudente pagar-lhes “para não fazerem parte do sistema produtivo”.

O assunto que neste momento está no centro das preocupações do representante da ideologia pirata é o processo de transição para a economia digital que se avizinha. E mais uma vez sugere, ao contrário do discurso dominante, um cenário simpático para a atual União Europeia em termos globais.

[jwplatform H2rSIfWI]