Rádio Observador

Futuro da Grécia

Tsakalotos. Mais tranquilo do que Varoufakis mas menos pró-europeu?

123

Sobre o novo ministro das Finanças da Grécia, Euclid Tsakalotos, diz-se que tem um feitio mais conciliador e moderado. Mas há quem diga, porém, que não é um pró-europeu convicto como é Varoufakis.

Getty Images

O novo ministro das Finanças da Grécia, Euclid Tsakalotos, é uma das figuras mais respeitadas do partido Syriza e é visto como tendo um caráter mais tranquilo e conciliador do que Yanis Varoufakis, que se demitiu esta segunda-feira. Mas há quem diga que não é tão pró-europeu quanto Varoufakis. Tsakalotos já tinha recebido de Varoufakis a liderança na negociação com os credores e recebe, agora, a pasta da Finanças. Não tem vida fácil pela frente.

Euclid nasceu em 1960 e, segundo o perfil no site do Ministério dos Negócios Estrangeiros, estudou Economia, Política e Filosofia nas universidades de Oxford e Sussex. Doutorou-se em Economia em 1989 em Oxford e dedicou-se à carreira académica até que, em 2012, foi eleito como deputado nas listas do Syriza.

Com a ida do Syriza para o poder na Grécia, em janeiro, com um programa eleitoral que se diz ter sido construído por Tsakalotos nos seus aspetos ligados à economia, este foi logo visto como uma das hipóteses para receber a pasta das Finanças. Alexis Tsipras optou, contudo, pelo estilo de Yanis Varoufakis, menos experiente nos corredores do poder (nada, na realidade) mas cuja impetuosidade terá feito Tsipras considerar que este era a escolha ideal para aquele momento.

Tsakalotos foi para o Ministério dos Negócios Estrangeiros, como ministro-adjunto concentrado em questões económicas. Mas o agravar das tensões entre os ministros das Finanças da zona euro e Yanis Varoufakis fez com que este tenha perdido, no final de abril, o domínio das negociações com os credores. Visto como mais moderado e como tendo uma personalidade mais tranquila do que Varoufakis, Tsakalotos passou a liderar a equipa de negociação técnica no Grupo de Bruxelas.

Nestes meses, não houve queixas como as que foram dirigidas a Yanis Varoufakis, que muitas vezes deixava os seus colegas do Eurogrupo de boca aberta perante algumas coisas que dizia. Alguns queixaram-se de um tom paternalista que irritou alguns ministros profundamente. Ambrose Evans-Pritchard, jornalista do Telegraph, diz que Tsakalotos é um “homem brilhante”. Mas, na opinião do jornalista, tem uma visão ideológica mais radical do que Varoufakis, que Evans-Pritchard considera “mais pró-europeu” do que Tsakalotos.

A infância foi passada no Reino Unido e, em criança, frequentou a mesma escola privada elitista que o ministro das Finanças do Reino Unido, George Osborne – em St. Paul’s. Tsakalotos é, no entanto, mais de 10 anos mais velho, pelo que não se cruzaram. O grego escreveu vários livros e artigos científicos, alguns dos quais focando-se na economia grega. Um desses artigos científicos foi escrito na fonte Comic Sans MS, como satiriza o jornalista londrino Mike Bird.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)