“Extraordinariamente importante” é assim que Sampaio da Nóvoa, antigo reitor da Universidade de Lisboa e candidato presidencial, define o possível apoio do PS e de António Costa, secretário-geral do partido. A sua relação com Costa, para além de confiança, é de “imensa cordialidade”, reconhecendo que ambos têm colaborado intensamente nos últimos meses.

Em entrevista à Renascença, o candidato presidencial assume a sua proximidade ao PS, numa altura em que o partido parece procurar alternativas internas para a corrida a Belém que vai acontecer já no início do próximo ano. “Colaborei com o PS em muito momentos da minha vida. Colaborei nas Novas Fronteiras, no Novo rumo, colaborei agora no congresso do PS. Faço parte de uma determinada maneira de estar e de pensar a política que se identifica com o PS”, lembrou Nóvoa

Para além do possível apoio, Nóvoa diz ainda que são importantes “as conversas e a confiança” da relação com António Costa. Apesar de o secretário-geral do PS ter dito que o apoio formal do partido nestas presidenciais só seria conhecido depois das legislativas, a proximidade com Sampaio da Nóvoa é notória, especialmente em pontos marcantes da sua liderança no partido.

Mas Nóvoa também tem em conta o seu projeto político quando fala no PS. “Para quem como eu se candidata a Presidente da República para pôr fim a esta devastação económica e social do país, no fundo para abrir um novo ciclo político, não há novo ciclo político em Portugal sem o PS”, afirmou o candidato.