Balcões, copos de três e palitos na boca no Cais do Sodré? É isso que se pode esperar?
Não, apesar do nome do evento ser Tascas no Cais não é bem isso que vai acontecer. As tascas que se vão instalar nos Jardins Móveis, no final (ou no início, dependendo da perspetiva) do Passeio da Ribeira das Naus, junto ao Cais do Sodré, não trazem propriamente balcões e copos de três. São tascas sem serem propriamente tascas, compreende?

Não compreendo. Tascas sem serem tascas? 
Chamemos-lhes tascas pop up, se preferir. São três restaurantes de Lisboa e um coletivo composto por chefs e alunos da Escola de Hotelaria reunidos num festival à beira-rio, onde se come e bebe, sim, mas sem encostar a barriga ao balcão.

Modernices. Mas quem é que nos alimenta?
Os restaurantes com presença prevista no festival são o Can the Can, a Cantina LX e a Taberna da Rua das Flores.

E o outro coletivo, ou lá como lhe chama?
Dá pelo nome de Tasca de Três e repete a participação do ano passado. Os três são os chefs Nuno Diniz e Nuno Barros e Rodrigo Meneses, o auto-proclamado foodie. A ajudá-los estarão alunos da Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa.

Vão servir petiscos a sério ou vão brincar às tascas?
Há opções para todos os gostos. No Can the Can, por exemplo, as tibornas têm destaque, já que o restaurante se especializa em conservas. Mas também vão servir, por exemplo, chamuças de atum, croquetes de polvo ou mini hambúrgueres em bolo do caco.

Bolo do caco, já sabia. Estas vítimas da moda…
Não seja assim, também têm uma salada de favinhas e barriga de atum. E uma espetada de polvo com migas de legumes.

Menos mal. E os outros?
André Magalhães, da Taberna da Rua das Flores, vai levar alguns clássicos da sua casa — as pataniscas de bacalhau, as lulinhas na chapa, o picadinho de carapau (que serviu no Peixe em Lisboa) ou a mousse de chocolate à taberneiro.

Tasca no Cais (2)

O tipo de petisco que se pode encontrar no festival. (foto: @ Fabrice Demoulin)

Soa melhor, mais genuíno. Conte-me mais.
Na Cantina LX há escabeche de coelho com tosta de pão frito, broinha de milho gratinada ou almofadinhas de bacalhau com arroz de tomate e salsa ou uma tarta de batata-doce de Aljezur para sobremesa, entre outros.

Nada de bolo do caco?
Nada de bolo do caco.

Bom. E na Tasca de Três?
Também não há bolo do caco. Há croquetes de morcela do Barroso, empada de cabidela, gaspacho de ameixa e carapau, iscas de pato…

Espere lá. De pato?
De pato, sim.

Curioso.
Também têm várias sobremesas: mousse de chocolate, caramelo e amendoim, arroz doce bairradino, triffle de lima limão ou crumble de cerejas e maçã com gelado de nata.

Triffle e crumble é que já não me soa muito a tasca. Mas tudo bem. Isto é brincadeira para custar quanto?
Os pratos custam entre 3 e 12€, depende do prato e do restaurante. Já a entrada no recinto custa 3€, com oferta de uma cerveja, de segunda a sexta-feira, das 17h à 00h, e aos fins de semana, todo o dia. Nos dias de semana a entrada é gratuita entre as 12h e as 17h.

Falou em cerveja. O que é que se bebe?
Bebe-se de tudo um pouco mas mais cerveja, precisamente. O destaque vai para a linha artesanal da Super Bock, que patrocina o festival, com as quatro variedades deste campeonato: Imperial Stout, Cascade Blond Lager, Munich Dunkel e Bavaria Weiss.

Tasca no Cais (1)

O ano passado foi assim. (foto: © Fabrice Demoulin)

Acho que prefiro vinho, sou pela tradição taberneira. É tudo?
Não, calma. Faltam mencionar as sessões de showcooking.

Show quê?
Showcooking. Cozinha ao vivo. Chefs conhecidos, de carne e osso, a fazer petiscos em direto e a cores. Está a ver?

Não estou a ver nada mas também ainda não começou, certo?
Tem razão. O festival só começa no dia 9, quinta-feira, e a primeira sessão de showcooking é no sábado, 11, às 19h, com Vítor Sobral, da Tasca e Cervejaria da Esquina.

Esse conheço, já o vi na televisão. Quem vem mais?
Bertílio Gomes (Chapitô à Mesa), dia 12, às 14h; Justa Nobre (O Nobre), dia 17, às 21h; e André Magalhães (Taberna da Rua das Flores) no dia 18, pelas 21h. Podendo, é ir. Com sorte ainda aprende qualquer coisa.

Não preciso. Já faço uns ovinhos mexidos com farinheira que são uma maravilha.
Então vá lá só comer.

Talvez vá. Qual é o horário de funcionamento?
Dia 9 de julho, o primeiro dia, abre às 18h e fecha à 00h. De 10 a 18 de julho funciona das 12h às 00h e no último dia, dia 19, das 12h às 16h.

Obrigadinho, então.
Sempre às ordens.