O tufão Chan-hom chegou, pela manhã deste sábado, ao sul da China e não foi nada discreto. Com os ventos a soprarem acima dos 160 quilómetros por hora, a província de Zhejiang, no sudeste do país, está a ser a mais afetada para já.

A chegada deste tufão, que pode ser o maior dos últimos 66 anos, já estava prevista e por isso as autoridades procederam à evacuação de perto de 1.000 pessoas da região e ao cancelamento de centenas de voos e ligações ferroviárias, de acordo com a televisão estatal, citada pela Associated Press. Milhares de navios acabaram também por ser reenviados para porto seguro na sexta-feira. Em várias cidades foi ainda interrompida a circulação de autocarros.

Até ao momento não há relatos de mortos nem de pessoas feridas, apesar dos estragos estarem a multiplicar-se devido às fortes tempestades e à subida do nível das águas.

O serviço nacional de meteorologia já tinha dito anteriormente que o tufão poderia ser o mais forte a atingir a China desde que o governo comunista tomou o poder, em 1949. Inicialmente considerado um super-tufão, o Chan-hom passou, ao meio-dia deste sábado (horas locais), para a categoria de tufão forte.

Chan-hom é a segunda grande tempestade a atingir a China esta semana. O tufão Linfa obrigou 56.000 pessoas a abandonarem as suas casas na província de Guangdong, também no sul do país.