Dezenas de milhares de pessoas que vivem na capital do Kosovo, Pristina, estão sem água desde sábado de manhã devido à interrupção do abastecimento por parte das autoridades. A decisão seguiu-se à detenção de cinco pessoas, ligadas ao Estado Islâmico, suspeitas de terem um plano para colocar veneno num reservatório que abastece 40% da cidade, segundo a Reuters.

Neste momento ainda se aguardam os resultados das análises à qualidade da água, mas a Al Jazeera noticiou, esta manhã, que os testes iniciais não revelaram presença de veneno nas águas do lago Badovc, próximo de Pristina, onde três dos cinco homens foram detidos.

A polícia tem estado em alerta nas últimas semanas depois de membros ligados ao Estado Islâmico, nascidos no Kosovo, terem aparecido em vídeos de propaganda a dizer que teriam como alvo de futuros ataques o abastecimento de água.

Uma fonte policial, que falou sob condição de anonimato, disse, à Reuters, que dois dos suspeitos já tinham sido presos no ano passado por viagem suspeita à Síria.

As forças de segurança dizem que mais de 200 pessoas do Kosovo foram combater na Síria e no Iraque e que mais de 30 terão morrido.