A Polícia Judiciária de Coimbra está a investigar suspeitas de abusos sexuais de menores na Igreja, avançam os jornais Público e Diário de Notícias. Não houve qualquer denúncia, antes um comunicado emitido esta quinta-feira pela diocese de Coimbra, onde pode ler-se que surgiu “nalguns meios a suspeita da prática de abusos sobre menores por um membro por clero”.

Apesar de a diocese de Coimbra exprimir preocupação para com a segurança dos menores, tida como uma prioridade para a Igreja, esta não informou o Ministério Público nem a polícia. No entanto, garante em comunicado que está a “cumprir todas as normas canónicas estabelecidas pelo Papa Francisco”, admitindo que “colaborará plenamente com a autoridade civil”.

Ao jornal Público, o vigário geral da diocese explicou que informaram a PJ apenas na tarde de sexta-feira e que o comunicado surge na sequência de uma denúncia anónima que chegou por e-mail.

De todo o modo, a polícia optou por abrir uma investigação com base nas informações do comunicado. O mesmo jornal escreve que, sendo os crimes de natureza pública, não é necessária uma queixa para que as autoridades possam intervir.

A diocese afirma que tem como prioridade assegurar o bem dos menores e promete todo o apoio necessário: “Se as suspeitas se revelarem fundadas, a diocese estará disponível desde já para oferecer aos menores e às suas famílias toda a proximidade”. Pede ainda a quem tiver informações sobre “situações concretas” que se dirija ao vigário geral, o padre Pedro Carlos Lopes Miranda, disponibilizando, por isso, todos os respetivos meios de contacto.