439kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

CV. Como os seus erros e fraquezas podem garantir um emprego

Este artigo tem mais de 5 anos

Jeff Scardino experimentou fazer um formato para currículos com base nos seus podres, incapacidades erros e falhas. Testou e o resultado é, no mínimo, surpreendente.

O currículo é um documento sincero que descreva o nosso percurso. Devemos mostrar fraquezas?
i

O currículo é um documento sincero que descreva o nosso percurso. Devemos mostrar fraquezas?

http://www.therelevantresume.com/

O currículo é um documento sincero que descreva o nosso percurso. Devemos mostrar fraquezas?

http://www.therelevantresume.com/

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

E se os nossos erros de percurso, desamores e traumas fossem o ingrediente em falta nos nossos currículos? Um criativo norte americano experimentou fazer um inovador currículo com base nos seus podres, incapacidades erros e falhas. E resultou: 8 respostas e 5 entrevistas em 10 candidaturas.

A arte de escrever um bom currículo tem sido motivo de muita discussão. A missão é clara: escrever um documento sincero, que retrate o nosso percurso, de modo a nos tornar desejáveis à empresa em questão. Basicamente, uma (ou duas) folhas de papel que nos torne memoráveis.

Jeff Scardino, chefe criativo da agência de marketing Ogilvy & Mather e professor da Escola de Publicidade de Miami, encontrou uma forma de se distinguir dos demais. Enquanto a maioria (para não escrever todos) enviaram um currículo que retratava uma versão embelezada do seu percurso, Scardino escolheu promover-se através de 5 categorias: “experiência”, “educação”, “incapacidades”, “objetivos falhados”, “más referências”.

slide-1-638

Currículo de falhas de Jeff Scardino (clique na imagem para uma melhor visualização)

1. “Experiência”

Uma categoria clássica em todos os currículos. Em casos normais, acompanharíamos a indicação da empresa, do cargo e da data de emprego com um ponto alto desse emprego. Scardino preferiu destacar conflitos, negociações falhadas e falta de produtividade. Alguns exemplos:

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

  • “Não produzi nada de valor durante o primeiro ano nesta empresa”
  • “Não vendi nenhum spot televisivo”
  • “Outras agências ultrapassaram-me ao fazerem alguns projetos premiados”
  • “Devia ter sido mais agressivo”

2. “Educação”

Outra categoria clássica. Scardino não quis destacar nenhuma disciplina feita ou apreciações académicas de sucesso. Enquanto universitário, o criativo norte americano ficou com o coração partido, sem amigos e arrependido por não ter ido para outro curso.

  • “Namorei com uma ‘rapariga de espírito livre’ que arruinou o meu ano de caloiro”
  • “Devia ter estudado Design”
  • “Passei mais tempo com amigos do que a terminar créditos do meu último ano de faculdade”

3. “Incapacidades”

Neste formato não houve espaço para promover o nosso “perfeccionismo” ou “adaptabilidade”. É lento? Chega constantemente atrasado? Tem dificuldades na interação social? Este é o lugar.

  • “Tenho dificuldade em lembrar-me de nomes”
  • “Apesar de parecer, não retiro os melhores apontamentos durante as reuniões. Na verdade, estou a desenhar”
  • “Devia ser mais pontual”
  • “Levo o meu trabalho para casa e isso irrita a minha mulher”

4. “Objetivos falhados”

Aqui, pode traçar um lado mais sonhador. A banda que formou mas que desistiu a meio, a língua que tentou aprender mas sem sucesso, ou aquela final de futebol em que foi massacrado.

  • “Ainda tenho de concluir um livro que comecei a escrever há anos”
  • “Nunca consegui ter uma carreira como DJ de rádio”
  • “O meu guião não foi além dos quartos-de-final da competição de guionista”

5. “Más referências”

Deixou má impressão durante um emprego ou estágio? Tem alguém que aponte os seus podres, criticando a sua lentidão ou ineficácia? Deixe o contacto dessa pessoa. Ele apontará a percepção que tem de si.

Será que funciona?

Scardino quis testar a eficácia do seu relevant résumé (currículo relevante, em português)tal como o próprio nomeou. De modo a validar o formato, Scardino enviou duas candidaturas diferentes: uma regular e outra adotando o inovador currículo de falhanços, sob identidades diferentes, para 10 vagas de emprego nas áreas de escrita e de comunicação.

a relevant experiment from Jeff Scardino on Vimeo.

Os números não enganam: o currículo regular recebeu uma resposta e nenhuma entrevista, enquanto o relevant résumé recebeu 8 respostas e 5 entrevistas. Qual o segredo deste formato afinal? Scardino acredita que as empresas apreciam cada vez mais conhecer o lado humano dos seus candidatos. A beleza está na “transparência”, “honestidade”, “humildade” e “vulnerabilidade” do currículo, explica o criativo norte americano.

“É este o tipo de mentalidades que quero na minha empresa”

As empresas ficaram surpreendidas. Mesmo aquelas que já tinham uma vaga preenchida queriam conhecê-lo:

“Acabei de receber o teu currículo. Extremamente interessante. Infelizmente, a posição a que te candidataste já foi preenchida. Mas queremos conhecer melhor o teu projeto. Este é o tipo de mentalidade que gostamos de ter aqui”, lê-se numa das respostas que o criativo recebeu.

Outras respostas foram de total aceitação:

“Em primeiro lugar, aplaudo-te. Nunca recebi um currículo como o teu. Vejo centenas de currículos por ano, por isso é uma lufada de ar fresco ver alguém com uma abordagem diferente. Tenho andado a mostrá-lo pelo escritório, e toda a gente está mortinha por te conhecer”, lê-se noutro e-mail.

Interessado em experimentar? Faça o seu aqui.

Texto editado por Rita Ferreira.

Loja Observador Lifestyle

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.