Rádio Observador

Futuro da Grécia

Varoufakis: Teria sido “negligente” não ter planos de contingência

Yanis Varoufakis critica a "desinformação" provocada por "artigos de jornal abusivos que penalizam a qualidade do debate público". Aí está a resposta à controvérsia gerada durante o fim de semana.

AFP/Getty Images

Yanis Varoufakis diz que o governo grego teria sido “negligente” se não tivesse criado um plano de contingência para o caso de o país sair do euro “como resultado dos esforços dos credores em minar o governo grego e à luz das forças dentro da zona euro que querem ver a Grécia expulsa da zona euro”. Esta é a resposta do ex-ministro das Finanças da Grécia, por meio de comunicado emitido pelo seu gabinete e colocado no seu blogue pessoal, à controvérsia gerada este fim de semana por uma notícia do jornal grego eKathimerini.

A notícia citava Varoufakis numa conversa com investidores internacionais em que o responsável dizia que desde dezembro, um mês antes das eleições, Alexis Tsipras o autorizou a planear um sistema paralelo de transações bancárias que funcionaria em euros mas que tivesse a capacidade de ser convertido em dracmas “da noite para o dia”. Varoufakis chegou a ter uma equipa de cinco peritos, liderada por um amigo de infância, a fazer hacking no sistema do Ministério das Finanças, monitorizado pela troika.

Na resposta a esta notícia, Varoufakis diz que “supervisionou uma equipa de trabalho que estava incumbida de preparar planos de contingência”, uma equipa liderada por James K. Galbraith, que o Observador entrevistou em abril. Foi divulgado, esta segunda-feira, um outro comunicado por Galbraith, que garante que os trabalhos que liderou sempre “trabalhou sob o axioma de que o governo estava totalmente empenhado em ficar no euro”.

Já Varoufakis defende que era dever da Grécia fazer “planos” já que “o Banco de Grécia, o BCE, os Tesouros dos Estados-membros, instituições internacionais” todos os tinham feitos – leia-se, planos para a saída da Grécia do euro – desde 2012.

Para o ex-ministro das Finanças, o artigo do eKathimerini é mais um dos “artigos abusivos em que os media têm embarcado, que prejudicam a qualidade do debate público”. “O grupo de trabalho do Ministério das Finanças trabalhou exclusivamente no enquadramento da política definida pelo governo e as suas recomendações tiveram sempre o objetivo de servir o interesse público, respeitar a lei e manter o país na zona euro”.

Varoufakis critica reportagem “errada” do eKathimerini

O ex-ministro das Finanças da Grécia critica o trabalho do jornal grego que publicou o conteúdo da conversa de Varoufakis com investidores londrinos, começando por criticar o facto de não ter sido ouvido pelo jornalista antes da publicação. Além disso, Varoufakis critica “as referências erradas à intrusão [hacking] nas informações fiscais dos contribuintes gregos.

Segundo o eKathimerini, Varoufakis tinha contratado um amigo de infância, especialista em hacking, para copiar os dados fiscais dos cidadãos e empresas (sem o conhecimento da troika) a fim de criar um sistema paralelo que poderia fazer o país voltar ao dracma “com o clicar num botão”. Estas informações, diz agora o gabinete de Varoufakis, “criaram confusão e contribuíram para a desinformação pública induzida pelos media“.

Varoufakis diz que o que está em causa, e que não tem nada que ver com os trabalhos liderados por James Galbraith, é a “melhoria do portal do fisco para que se tornasse mais do que é, para que se tornasse um sistema de pagamentos a terceiros, um sistema que melhoraria a eficiência e minimizasse os atrasos de pagamentos aos cidadãos e vice-versa”.

“Em conclusão, durante os cinco meses de negociações que prenderam a Europa e alteraram o debate um pouco por todo o continente, o Ministério das Finanças fez tudo o que era possível para servir o interesse público, contra todas as probabilidades”, diz o gabinete de Varoufakis. “A atual campanha mediática para esborratar esses esforços não irá conseguir contaminar a luta crucial, durante cinco meses, pela democracia e pelo senso comum”, remata.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)