O ex-ministro brasileiro da Casa Civil, José Dirceu, ficou em silêncio durante o seu depoimento à deputados da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, e foi dispensado em 15 minutos.

Dirceu, ex-dirigente de topo no Partido dos Trabalhadores (PT, de Dilma Rousseff e Lula da Silva), foi preso no início do mês por suspeita de receber subornos de contratos da Petrobras por via de consultorias prestadas a construtoras que trabalhavam com a petrolífera.

Um grupo de deputados da CPI viajou de Brasília até Curitiba, no sul do país, para ouvir o antigo ministro, que já havia sido condenado por sua participação no “mensalão”, o esquema de pagamento de subornos em troca de apoio parlamentar durante o Governo de Lula da Silva.

Segundo a imprensa brasileira, Dirceu optou por ficar em silêncio após orientação de seus advogados, e não respondeu a nenhuma pergunta dos deputados.

Os políticos chegaram a perguntar se o ex-ministro era líder de uma organização criminosa ou se poderia ser considerado um “traidor do Brasil”.