Sábado é um dia especial no Partido Trabalhista britânico, pois é o dia em que vai eleger um novo líder. São três as pessoas que estão na corrida, embora as previsões tenham, nos últimos dias, dado como quase certa a vitória de um deles. Chama-se Jeremy Corbyn, tem 66 anos, é deputado no parlamento e espera-se que seja ele o próximo líder do partido. Sabe-se que Corbyn é de esquerda e, agora, passou-se a saber que partilha “muitas” das visões económicas com Iannis Varoufakis, antigo ministro das Finanças grego.

Quem o disse foi o próprio helénico e não ficou por aqui. Disse-o porque, durante as décadas de 70 e 80, Varoufakis conheceu o hoje deputado trabalhista. Na altura, aliás, o ex-membro do governo grego sugeriu que ambos participaram em protestos contra o Margaret Thatcher — a “Dama de Ferro” conservador que liderou os britânicos entre 1979 e 1990. “A semelhança que sinto à vontade em partilhar é que eu e o Corbyn, provavelmente, coincidimos em muitas demonstrações contra o governo Tory [alcunha dada pelos britânicos ao Partido Conservador] enquanto vivi no Reino Unido”, revelou Iannis Varoufakis, em entrevista publicada no site The Conversation.

O antigo governante grego indicou que tinham a mesma opinião sobre o declínio da indústria inglesa que se registou durante os dois mandatos de Thatcher. “Partilhamos muitas visões sobre a calamidade que caiu sobre os trabalhadores britânicos, à medida que o poder se mudou da indústria da produção para o setor financeiro”, resumiu o político helénico.

Varoufakis, contudo, alertou contra as comparações entre o Syriza, o seu partido, e os trabalhistas, argumentando que o Reino Unido não passou pela mesma “implosão socio-económica” que se verificou na Grécia.