A 23 de setembro o país dividiu-se. Houve quem chorasse a vinda do tempo frio e se despedisse amargamente do sol, e quem rejubilasse com a promessa de chuva. Se o outono é a altura de trocar os tops e as saias por casacos e calças, o mesmo se pode dizer do organismo, que fica desejoso de alimentos mais quentes e calóricos, capazes de manter a temperatura ideal do corpo. E onde ficam os sumos detox, naturalmente frescos? À semelhança do biquíni, que volta a ocupar o fundo do armário, vão para a prateleira mais recôndita do frigorífico.

Mas calma, isto de desintoxicar o organismo não é só coisa de dias soalheiros. Tal como um little black dress, o detox não passa de moda e também entra pela estação fria adentro. A pensar nisso, a nutricionista Lillian Barros criou uma coleção de outono-inverno para quem quer continuar num regime alimentar mais saudável: a 16 de outubro chega às livrarias a sua mais recente obra, Sopas, Saladas e Chás Detox (Manuscrito). São mais de 100 receitas ricas em antioxidantes e de baixo valor calórico que permitem não só perder peso, como aumentar os níveis de energia e fortalecer o sistema imunitário.

Dito isto, pedimos à nutricionista que nos esclarecesse algumas dúvidas a propósito das sopas detox e que nos fornecesse cinco receitas, disponíveis em fotogaleria.

Sopas-Detox - Capa

Sopas detox, o que é isso?

Não há dúvida que Portugal é um país de sopas, sobretudo quando a temperatura arrefece e os dias mais curtos pedem por uma tigela a transbordar do habitual caldo à base de legumes. Acontece que as sopas tradicionais nem sempre dão ao nosso organismo aquilo que ele precisa, pelo que a nutricionista Lillian Barros optou por repensar as receitas já existentes ao adicionar-lhes vitaminas e minerais e ao retirar-lhes gordura — o conceito já anda a ser testado lá fora, mas em Portugal parece estar a dar os primeiros passos (ou, mais a propósito, as primeiras colheradas). O certo é que a sopa pode (e deve) ser um elemento central na dieta detox, desde que cozinhada com ingredientes funcionais — entenda-se por alimentação funcional dar ao organismo aquilo de que precisa, quando precisa.

Como funciona?

Se os sumos detox podem substituir refeições até um máximo de três dias, o mesmo não acontece com as sopas. Estas pedem por uma dieta variada e devem ser adaptadas às pessoas e aos seus objetivos. Há, então, diferentes formas de as usar durante o dia a dia, seja porque é uma boa forma de reduzir o apetite e a quantidade de comida do prato principal, ou enquanto última refeição do dia, depois do jantar (bem melhor que as bolachas dos miúdos). E, sim, podem ser um substituto à refeição principal por possuírem todos os elementos nutricionais necessários.

Quais as suas vantagens?

São ricas em fibra, vitaminas e minerais. Têm uma componente hidratante e estão repletas de antioxidantes presentes nos pigmentos dos alimentos vegetais. A adição das sementes, que podem funcionar como um topping, permite ao organismo receber ácidos gordos. Por tudo isso — e mais –, as sopas detox são úteis para quem quer perder peso, conferem uma sensação de plenitude e de satisfação (contributo da água, legumes e hortaliças), ajudam a regular os níveis de açúcar no sangue, a reduzir os níveis de colestrol e a manter um correto funcionamento intestinal.

Quais os ingredientes a retirar?

Diga adeus à batata branca, à fécula da batata (aqueles flocos que habitualmente são misturados em água ou azeite para fazer puré de batata), ao excesso de sal (em vez de usar apenas sal grosso, pode sempre misturá-lo com pimenta preta ou canela, duas sugestões que oferecem muito sabor à sopa), aos caldos industrializados e ao excesso de gordura em geral (mesmo azeite em demasia é desaconselhado — bastam duas colheres de sopa de azeite para duas a três pessoas).

E quais a adicionar?

Num mesmo registo, diga olá à curcuma (da família do gengibre; trabalha ao nível do sistema imunitário e funciona enquanto antioxidante); às ervas aromáticas (desde salsa a coentros e hortelã), à couve roxa e ao tomate.

Mas é possível perder peso no outono-inverno?

“Como em qualquer estação do ano, há prós e contras”, diz Lillian Barros. O frio que se avizinha vai destabilizar a temperatura corporal, o que obriga o corpo a gastar mais energia de modo a permitir a manutenção da sua temperatura interna. Esta pode ser, então, a altura ideal do ano para recuperar a silhueta. O contra? Por estes dias há também a tendência para comer mais e escolher alimentos mais quentes e/ou energéticos (como quem diz calóricos) — isto porque a gordura tem como função proteger o corpo das oscilações térmicas, tal como um casaco feito à medida para o organismo. Ainda assim, há esperança ao fundo do túnel, uma vez que a nutricionista afirma ser possível aquecer o corpo através de uma alimentação menos calórica, à base de sopas e de chás.

E desintoxicar para quê?

Por intoxicação entende-se o facto de uma pessoa acumular substâncias que não fazem falta ao organismo e que podem, até, sobrecarregá-lo. Os sinais desse mal-estar interior refletem-se no exterior na forma de inchaço, obstipação, pele seca, unhas quebradiças, dores de cabeça, falta de memória e até cansaço físico.