São sete páginas, todas rubricadas, e com as devidas assinaturas no final da última página. Está a circular na Internet uma cópia do contrato que, alegadamente, Jorge Jesus assinou com o Sporting a 5 de junho. No documento, tintim por tintim, constam os prémios que o treinador receberá consoante os objetivos — leia-se, títulos — que consiga atingir. E sempre que fechar uma época como campeão nacional, Jesus receberá 2 milhões de euros brutos, além dos 5 milhões de euros, também ilíquidos, que aufere como salário anual.

O Observador entrou em contacto com o departamento de comunicação do Sporting, que reservou os comentários para o comunicado que publicou, ao início da tarde desta quarta-feira, no site oficial do clube: “O Sporting Clube de Portugal não se pronuncia sobre a autenticidade dos “documentos” que circulam na Internet. No entanto, e porque os referidos documentos conterão assinaturas de Administradores e/ou funcionários do Clube, o assunto será esta tarde entregue às autoridades policiais para investigação.”

O documento, em formato PDF, está alojado num site chamado Football Leaks, que disponibilizou vários documentos de outros negócios que ocorreram, ou estiveram para ocorrer, no último mercado de transferências. O site revelou o que diz ser a proposta que o Sporting apresentou ao Marítimo e a Danilo Pereira, jogador que acabou por se transferir para o FC Porto, além do suposto rascunho de um contrato que seria firmado entre os leões e Konstantinos Mitroglou, avançado grego que assinou pelo Benfica.

Caso o documento seja, de facto, uma cópia do contrato que foi assinado entre o treinadores e o clube de Alvalade, coloca-se uma questão — quem o divulgou? 

Porque no documento constam pelo menos duas informações que coincidem com os dados que foram noticiados aquando da ida de Jorge Jesus para o Sporting: os 5 milhões de euros de salário anual e os 2 milhões de euros que receberá caso vença o campeonato. Depois, segundo o documento, Jorge Jesus já terá assegurado um prémio de 200 mil euros pela vitória na Super Taça de Portugal, a 9 de agosto, frente ao Benfica e, por exemplo, ser-lhe-á pago um milhão de euros caso vença a Liga Europa.

No contrato lê-se que o contrato foi assinado a 5 de junho, embora defina que “o presente contrato tem início a 1 de julho de 2015”. O vínculo de Jorge Jesus com o Benfica terminou a 30 de junho, mas João Gabriel, diretor de comunicação do clube da Luz, chegou a dizer que “um contrato não deve ser encarado de forma leviana e com o chico-espertismo de quem acha que tudo lhe é permitido”. O dirigente reforçou, na altura, que havia “matéria factual, esta e muita outra”, à qual “a justiça dirá quem tem razão”.