Os seguristas defendem abertura do PS para negociar com a coligação PSD/CDS a viabilização do Orçamento do Estado (OE) para 2016.

“O partido não deve assumir uma posição final sobre um documento sem conhecer as suas bases”, afirmou ao Observador Eurico Brilhante Dias, ex-dirigente de António José Seguro e que agora foi eleito deputado. Também António Gameiro, líder do PS-Santarém e que apoiou Seguro, alinha pela mesma bitola. Sobre a possibilidade de ser o PS a negociar com PSD/CDS a viabilização do Orçamento, responde ao Observador: “Não espero outra coisa”. O deputado defende que o PS tem várias “linhas vermelhas” que deve traçar desde já nos contactos com PSD/CDS, nomeadamente, cortes na segurança social.

Jamila Madeira, que já foi deputada e que agora regressa de novo a S. Bento, evitou pronunciar-se publicamente sobre o OE 2016, salientando ser matéria que deverá ser discutida na reunião desta noite de terça-feira da comissão política.

Os deputados seguristas podem bem vir a ser o sexto grupo parlamentar. São 15 os deputados que apoiaram Seguro contra Costa em 2014 e que agora foram eleitos para o Parlamento – um número importante que, se desalinhado com a direção costista, pode servir à maioria PSD/CDS para viabilizar propostas de lei.

São eles:

Aveiro – Rosa Albernaz
Beja – Pedro do Carmo
Castelo Branco – Eurico Brilhante Dias
Coimbra – Pedro Coimbra
Faro – Jamila Madeira
Leiria – António Sales
Lisboa – João Soares e Joaquim Raposo
Porto – José Luís Carneiro e João Paulo Correia
Porto – Ricardo Bexiga
Santarém – António Gameiro
Viana do Castelo – José Manuel Carpinteira
Vila Real – Francisco Rocha
Viseu – António Borges

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O PS conseguiu eleger até agora 85 lugares e a coligação 104, sendo que faltam atribuir quatro mandatos eleitos pelos dois círculos da emigração.

O BE elegeu 19 deputados, a CDU 17 e o PAN um deputado.