Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Comissão Europeia levantou dúvidas à Direção Geral da Concorrência sobre a criação da Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD) portuguesa, receando que funcione como mais um “lugar para os amigos”, noticia a edição desta terça-feira do Diário Económico.

Aquele que é o banco de fomento português surgiu mais por vontade do governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, do que do Governo, explicaram fontes próximas do processo à publicação. Até porque a “troika estava totalmente contra a ideia”.

A informação foi confirmada por um alto responsável europeu – a troika, sobretudo a Comissão Europeia, acreditava que era desnecessário criar o banco de fomento. A instituição só foi lançada a 21 de outubro de 2014, altura em que foi permitido avançar com a primeira fase do projeto.

Os dois fundos que serão geridos pelo banco foram aprovados há duas semanas em Conselho de Ministros e já houve um concurso para a contratação de técnicos que fiquem responsabilizados pela gestão dos mesmos.Um dos objetivos do Governo passa por integrar a IFD no Plano Juncker, para que possa aceder ao Banco Europeu de Investimento.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR