A Volkswagen admitiu que instalou “kits fraudulentos” em quase 10 milhões de carros em todo o mundo que lhe permitia mascarar a quantidade real de emissões poluentes. Mas, segundo informação obtida pelo The Guardian, a marca alemã está longe de ser a única a emitir – em condições reais, ou seja, na estrada – muito mais do que os limites previstos. As emissões de alguns modelos da Mercedes-Benz e das japonesas Honda, Mazda e Mitsubishi também superam em várias vezes os limites.

Vários modelos com motorização diesel da Mercedes-Benz, Honda, Mazda e Mitsubishi emitem muito mais gases poluentes na estrada do que nos testes em laboratório. A informação é avançada pelo jornal britânico The Guardian. Alguns modelos com tração às quatro rodas da Honda emitem até 20 vezes os limites quando são levados para a condução real em estrada.

Em causa estão os dois gases nocivos que compõem a mistura conhecida como NOx, altamente nociva para a saúde humana e para o meio-ambiente.

“Este é um problema sistémico” que afeta todo o setor, afirma o dono da Emissions Analytics, a empresa que testou estes carros e que comunicou ao The Guardian os resultados obtidos.

Já na semana passada o mesmo jornal indicou que os carros diesel da Renault, Nissan, Hyundai, Citroen, Fiat, Volvo e Jeep emitem mais NOx quando são conduzidos em circunstâncias reais do que no laboratório. Os automóveis passam os testes de laboratório previstos na legislação europeia mas a forma como os motores funcionam leva a que, automaticamente, as emissões em circunstâncias reais de condução sejam muito superiores ao que se julga.

O que diz cada marca acerca dos resultados

O The Guardian confrontou as quatro marcas em causa com os resultados da pesquisa da Emissions Analytics. Eis os resultados e a resposta de cada um deles:

Mercedes-Benz. Os carros testados emitem uma média de 0,406 gramas de NOx por quilómetro, cerca de 2,2 vezes mais do que previam os limites previstos na legislação Euro 5 e cinco vezes mais do que as novas regras (Euro 6). “Dado que as condições de condução em circunstâncias reais não refletem, de um modo geral, as condições em laboratório, os valores podem divergir dos valores estandardizados”, afirmou um porta-voz da Mercedes-Benz.

Honda. A Emissions Analystics revela que carros a diesel da Honda emitem, em média, 0,484 gramas por quilómetro, entre 2,6 vezes e 6 vezes os níveis que declara oficialmente. “A Honda testa os seus veículos no estrito cumprimento da legislação europeia”, comentou porta-voz.

Mazda. Quando conduzidos no mundo real, os carros da Mazda emitiram uma média de 0,293 gramas por quilómetro, mais do que o dobro do permitido. “Em cumprimento da lei, a Mazda faz todos os esforços para se assegurar que os carros a gasolina e diesel cumprem as regulações”, afirma a empresa japonesa.

Mitsubishi. Os carros da Mitsubishi também superam os limites previstos (0,274 gramas) mas a marca japonesa nota que “a regulação em vigor (a NEDC) nunca teve como objetivo representar rigorosamente a condução em circunstâncias reais”.

O responsável pelo estudo – que apurou que a Citroen, VW e Audi também emitem mais do que em laboratório – diz que “a questão da Volkswagen nos EUA foi apenas o gatilho que chamou a atenção para um problema diferente na UE: a emissão generalizada de gases poluentes acima dos limites”. Nick Molden critica a regulação europeia por se basear em “ciclos de teste condescendentes” nos ensaios em laboratório.