Legislativas 2015

Durão Barroso: “Quem votou PS não votou num governo com PCP e BE”

3.952

Durão Barroso diz esperar que "coligação e PS encontrem pontos para chegar a acordo", caso contrário pode haver "custos do ponto de vista da confiança no nosso país".

JOÃO RELVAS/LUSA

Durão Barroso defende que “seria muito negativo” para a confiança externa em Portugal se o Partido Socialista vier a formar governo com o apoio do Bloco de Esquerda e do Partido Comunista. Primeiro porque “toda a gente sabe” que os eleitores socialistas “não votaram no PS para um governo com PCP e BE” e, em segundo, porque apesar de a política portuguesa necessitar de “compromisso”, este não deve ser “só um compromisso para ir para o poder. Isso não é correto“, diz o antigo primeiro-ministro português e ex-presidente da Comissão Europeia.

Em entrevista publicada esta terça-feira pelo Diário Económico, Durão Barroso diz que espera que “coligação e PS encontrem pontos para chegar a acordo“. “Portugal tem obrigações, que foram assumidas pelo Estado português, e tem de respeitá-las. Caso contrário, haverá custos para o país”, avisa Durão Barroso, sublinhando que “a questão é se aqueles que vierem a estar à frente do governo têm credibilidade para manter esses compromissos“.

Durão Barroso reconhece que “as diferentes forças políticas devem trabalhar para o compromisso, mas compromisso na base de certos princípios”. “Não é só compromisso para ir para o poder. Isso não é correto”.

Por outras palavras, Barroso defende que “as pessoas têm de trabalhar para o compromisso na base de alguns princípios, que foi aqueles que subscreveram”. O ex-primeiro-ministro quer dizer com isto, no fundo, que “a menos que tenha havido uma conversão súbita de todos aqueles que até ontem eram contra a União Europeia, contra o Tratado Orçamental”, um governo que fosse constituído por “forças anti-europeístas e anti-Tratado Orçamental seria muito negativo do ponto de vista da confiança no nosso país”.

Barroso recorda que “saímos da crise, ultrapassámos a fase mais difícil, mas nada é irreversível“.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Pedro Passos Coelho

Quem tem medo de Passos Coelho?

Rui Ramos
1.960

Na história portuguesa, Passos Coelho foi o primeiro chefe de governo que, num ajustamento, não pôde dissimular os cortes com desvalorizações monetárias. Governou com a verdade. 

10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

PAN

A culpa como arma final /premium

André Abrantes Amaral

Antes o pecador ia para o Inferno; agora destrói a Terra. A Igreja falava em nome de Deus; o PAN fala em nome do planeta. Onde foi buscar tal ideia é o que a democracia tem tido dificuldade em perguntar

10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)