Oscar Pistorius, o atleta paralímpico condenado a cinco anos de prisão pelo assassínio da namorada, vai ser colocado em liberdade condicional na próxima semana, depois de cumprir um ano da pena, indicaram esta quinta-feira os serviços prisionais sul-africanos.

A comissão de liberdade condicional “aprovou a colocação do criminoso Oscar Pistorius sob supervisão correcional a partir de 20 de outubro de 2015”, indicou o departamento prisional em comunicado. “O painel de liberdade condicional considerou todos os documentos apresentados, incluindo o relatório sobre o perfil do criminoso, as diretivas da comissão de revisão da liberdade condicional e os depoimentos da família da vítima”, Reeva Steenkamp.

Os advogados de Pistorius tinham argumentado que ele deveria ter sido libertado e colocado em prisão domiciliária em agosto, depois de ter cumprido um sexto da sua pena, que lhe foi imposta após ter matado Steenkamp a tiro em 2013. Mas o atleta continuou atrás das barras, após uma intervenção de última hora do ministro da Justiça sul-africano, Michael Masutha, e após ter sido pedida a revisão do caso.

Depois de se ter reunido na semana passada, a comissão de liberdade condicional disse que queria consultar a família de Steenkamp sobre a sua possível libertação. Os pais da rapariga sustentam que Pistorius matou a filha de propósito e já antes tinham contestado qualquer hipótese de liberdade condicional.

A família de Pistorius acusara as autoridades de se vergarem “à campanha política e mediática” ao negar a sua libertação condicional. “Penso que os serviços prisionais devem ter considerado que ele foi tratado de forma injusta. Deveria ter sido libertado a 21 de agosto”, declarou Brian Webber, um dos advogados que representam Pistorius, na semana passada, citado pela agência de notícias francesa, AFP.

Num julgamento que fez manchetes em todo o mundo, Pistorius, agora com 28 anos, foi preso no ano passado por matar Steenkamp, modelo e licenciada em Direito. Ele foi considerado culpado de homicídio involuntário, depois de ter dito que a matou através da porta trancada da casa de banho, porque a confundiu com um intruso.

Após a sua libertação, Pistorius enfrentará mais uma prova, a 03 de novembro, quando o ministério público recorrer para o Supremo Tribunal da África do Sul pedindo uma condenação por homicídio e uma pena mais dura.

Outrora um ídolo do desporto paralímpico, Pistorius, conhecido como ‘Blade Runner’ por causa das próteses nas pernas que usava nas pistas de corridas, ascendeu à fama global quando competiu com atletas sem deficiência nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012.