Rádio Observador

Partido Trabalhista

China avisou Jeremy Corbyn para “se comportar” perante Xi Jinping

Em antecipação à visita de Xi Jinping ao Reino Unido, o embaixador chinês em Londres falou com o novo líder dos Trabalhistas e pediu-lhe que "se comporte" perante o Presidente chinês.

Jeff J Mitchell/Getty Images

A visita do Presidente chinês ao Reino Unido “não é para vir fazer um debate” sobre os direitos humanos, pelo que o embaixador chinês em Londres pediu ao novo líder dos Trabalhistas, Jeremy Corbyn, para “se saber comportar” quando se sentar à mesa, na terça-feira, para um jantar diplomático com várias figuras de relevo da política britânica e chinesa, no Palácio de Buckingham.

O aviso a Jeremy Corbyn foi confidenciado à BBC pelo próprio embaixador, Liu Xiaoming. Citado pelo The Telegraph, o embaixador colocou a questão da seguinte forma: “Eu julgo que as pessoas britânicas são muito cordiais, muito inteligentes. Sabem comportar-se em situações como esta. Acha [perguntou ao jornalista] que o Partido Trabalhista vai puxar o tema dos direitos humanos num jantar estatal? Não me parece“.

O embaixador esclareceu que a China “não foge à questão” dos direitos humanos mas salienta que “todos sabemos que a China e o Reino Unido têm muitas diferenças porque temos uma História diferente, uma cultura diferente, e estamos em fases diferentes de desenvolvimento“. “É natural que tenhamos diferenças, mesmo no que diz respeito aos direitos humanos – na China preocupamo-nos com os direitos a uma vida melhor, a um emprego melhor, uma habitação melhor”, continuou Xiaoming.

Porta-voz de Jeremy Corbyn já garantiu, porém, que o líder Trabalhista irá, mesmo, aproveitar a visita de Xi Jinping para falar sobre direitos humanos. Admite, contudo, uma reunião privada com o Presidente chinês para o fazer, não excluindo que o possa fazer, em alternativa, no jantar.

Xi Jinping estará no Reino Unido de 19 a 23 de outubro, vai encontrar-se com o primeiro-ministro David Cameron e deverá discursar no parlamento britânico, segundo anunciou hoje o Governo de Pequim. Esta será a primeira visita ao Reino Unido de um Presidente da China em dez anos, ou seja, depois da de Hu Jintao em 2005.

Durante a visita de Xi Jinping – que vai ficar com a sua esposa, Peng Liyuan, alojado no Palácio de Buckingham, como dita a tradição para as visitas de Estado — espera-se a assinatura de acordos económicos e também de cariz cultural. “Nós encorajamos o investimento e a China investe mais na Grã-Bretanha do que noutros países europeus”, congratulou-se David Cameron.

Por sua vez, o embaixador da China em Londres, garantiu que o Reino Unido “está em vias de se tornar no líder na Europa e em todo o Ocidente” referindo-se às relações com o seu país. O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, e o ministro da Economia britânico, George Osborne, já exibiram, no mês passado, em Pequim, essa sintonia com a assinatura de 53 acordos, incluindo vários que visam usar a “City” londrina como ponte para a internacionalização da moeda da segunda maior economia mundial, o yuan.

Espera-se, portanto, que a visita de Xi sirva para amadurecer esses acordos, que incluem projetos de envergadura como a construção da primeira central nuclear desenhada e operada pela China em solo ocidental e de linhas ferroviárias de alta velocidade. Todos esses assuntos vão ser abordados na reunião entre Xi e Cameron, um dos pontos-chave da agenda do chefe de Estado chinês, a qual contempla também encontros com líderes de outros partidos e empresários.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Brasil

Em nome do Brasil, peço desculpas /premium

Ruth Manus

Não, eu não elegi este governo. Mas o meu país o fez. Parte por acreditar na política do ódio, parte por ignorância, parte por ser vítima das tantas fake news produzidas ao longo do processo eleitoral

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)