Embora os tablets e os smartphones tenham revolucionado os hábitos de consumo, a verdade é que a maioria das pessoas ainda se senta em frente a um computador no seu local de trabalho. Mas se o computador tradicional ainda é rei, pode ter os dias contados se olharmos, por exemplo, para os novos iPad Pro. Isto, claro está, na opinião interessada do chefe executivo da Apple, Tim Cook, segundo conta o The Telegraph.

“Se já temos um computador para quê comprar outro? A sério, por que é que iríamos comprar outro?”, disse Tim Cook, durante o lançamento do iPad Pro, na loja do Covent Garden, no Reino Unido. Os consumidores mostram-se obcecados com o iPhone, mas a Apple mostra-se confiante, acreditando que o seu novo tablet vai continuar a alimentar o crescimento contínuo da empresa e substituir os computadores tradicionais.

“Sim, o iPad Pro é um substituto dos notebooks ou de um computador para muitas, muitas pessoas. Elas vão começar a utilizá-lo e vão concluir que não precisam de utilizar qualquer outra coisa”, disse Cook.

Com o lançamento dos iPhones maiores, o 6 e o 6S, e agora os novos tablets, alguns analistas têm argumentado que os mini-iPads podem estar em risco, contudo, o chefe executivo da Apple não é tão extremista e acredita que isso não vai acontecer, dando o exemplo dos utilizadores que têm o hábito de ler na cama com o mini-iPad, que é mais relaxante do que a leitura num telemóvel.

A outra novidade, para além do iPad Pro, é a Apple TV. É possível “comunicar” com ela e procurar os programas favoritos. Tim Cook revela que as vendas iniciais foram surpreendentes. “Arrancámos de uma maneira bastante forte nos primeiros dias”, disse, acrescentando que “foi muito maior do que aquilo que era previsto”. Tim Cook revelou que estão a ser desenvolvidas várias aplicações que vão gerar uma grande variedade de atividades possíveis através da televisão, “vai alterar inteiramente a sala-de-estar”, afirmou o chefe executivo da Apple. 

Há ainda uma outra área que gera grandes preocupações para a Apple, a defesa da privacidade dos seus utilizadores.
“Para proteger as pessoas que utilizam quaisquer produtos, é necessário criptografar. Basta olhar ao redor e ver todas as violações que estão a acontecer. Elas podem não só resultar em violações de privacidade, mas também em questões de segurança”, disse Cook. “As pessoas não nos querem a ler as suas mensagens, e nós também também sabemos que não temos o direito de ler os seus emails”, acrescentou.

Tim Cook argumentou que o roubo de dados e identidade tem um custo humano real e acredita que essas situações podem pôr em risco a segurança financeira das pessoas, mas também a sua saúde mental. Cook defende que a criptografia é importante e que pode evitar efeitos devastadores num mundo demasiado globalizado, em que “estamos todos conectados, quer gostemos ou não”.