A Liga Nacional para a Democracia (LND), o maior partido da oposição na Birmânia, liderado por Aung San Suu Kyi, conquistou a maioria no parlamento, de acordo com resultados divulgados hoje pela comissão eleitoral birmanesa.

Segundo os mais recentes dados da comissão eleitoral, a LND conquistou mais 21 assentos na câmara baixa, elevando o total de lugares no conjunto do parlamento para 348, obtendo a maioria.

No entanto, Ban Ki-moon já reagiu alertando que há ainda “muito trabalho” para construir democracia na Birmânia.

Apesar de felicitar Aung San Suu Kyi pela vitória do seu partido nas eleições na Birmânia, o secretário-geral da ONU advertiu que há “muito trabalho” pela frente para tornar o seu país numa democracia.

Ban Ki-moon descreveu as eleições de domingo como uma “conquista significativa” para a transição política da Birmânia, mas lamentou que muitos eleitores pertencentes a minorias, como os muçulmanos rohingya, não tenham podido exercer o seu direito de voto.

“Ainda há muito trabalho a fazer na Birmânia no caminho para a democracia e para que futuras eleições sejam verdadeiramente inclusivas”, afirmou o secretário-geral da ONU em comunicado.

A Birmânia foi dominada por regimes militares durante meio século, por via de uma junta e — desde 2011 — por um governo quase civil gerido pelos seus aliados.

Contudo, o equilíbrio das forças do poder caminha a passos largos para uma mudança devido à vitória da Liga Nacional para a Democracia (NLD), de Aung San Suu Kyi, na sequência das eleições legislativas de domingo, as primeiras livres em 25 anos.

“O povo e os líderes do Myanmar [Birmânia] têm o poder de se juntar e construir um futuro melhor para o seu país, um futuro (…), onde ninguém é marginalizado, vulnerável ou discriminado”, realçou Ban Ki-moon.

O secretário-geral das Nações Unidas elogiou ainda os militares por aceitarem os resultados, descrevendo tal como “particularmente importante”.

Também ofereceu o apoio da ONU à Birmânia para que consolide a democracia a alcance progressos em matéria de direitos humanos.