271kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Poupe na sua eletricidade com o MEO Energia. Simule aqui.

Estas mulheres querem "instagramar" a vida real

Este artigo tem mais de 5 anos

No início do mês a australiana Essena O’Neill abandonou as redes sociais por causa da falsidade que promovem. Agora é a vez de outra modelo seguir uma estratégia semelhante. Até Olivia Wilde concorda.

i

Instagram de Stina Sanders

Instagram de Stina Sanders

Primeiro foi Essena O’Neill, a modelo australiana de 18 anos que se revoltou contra a promoção de padrões de beleza irreais através da internet e que, por isso, abandonou as redes sociais. A jovem que admitiu fazer pequenas fortunas com as imagens que publicava no Instagram, ao usar roupas e acessórios a pedido de marcas, é a mesma que, da noite para o dia, eliminou mais de 2.000 fotografias e editou as legendas de outras 100, de maneira a contar toda a verdade. O’Neill foi, no início do mês de novembro, tema de conversa e a sua história foi repetida tantas vezes que influenciou a maneira de pensar de uma outra modelo.

Peachy glow ? Make-up details in tonight's blog: Abu Dhabi at night ? www.stinasanders.com

Uma foto publicada por STINA SANDERS (@stinasanders) a

Stina Sanders, que já posou para revistas como Maxim e FHM, tem o feed da sua conta de Instagram recheado de imagens de sessões fotográficas, onde o estilo e a estética andam de mãos dadas. Mas a miúda loira de sotaque australiano falou tão alto que as suas queixas chegaram aos ouvidos desta modelo, e o resultado foi uma clara mudança de estratégia. 

De-fuzzing Monday! ?

Uma foto publicada por STINA SANDERS (@stinasanders) a

Adeus cenários tropicais, adeus outfits de meter inveja e olá momentos de depilação e fotografias de unhas com restos de verniz. Escreve o Huffington Post que Sanders decidiu, então, tornar públicos momentos mais reais, que fazem parte do quotidiano de um comum mortal. Daí que na sua conta haja, desde há uns dias, registos fotográficos de exames médicos (talvez dispensáveis) e de consultas com a psicóloga. Colocadas as imagens, a modelo perdeu cerca de 3.000 seguidores. 

“Ver uma fotografia dos meus movimentos intestinais e não de mim em biquíni deve ter irritado muitas pessoas”, disse a modelo à revista Tab. “Partilhar a minha vida real talvez tenha sido demasiado para eles. É interessante ver que a vida real não apela a todos os gostos. Talvez o Instagram seja uma forma de escape a essa realidade. Vejo muitas mulheres a compararem-se umas às outras (…), seja com a miúda ao fundo da rua ou com a modelo da Victoria Secret’s. É apenas tonto. Ninguém é perfeito.”

O movimento contra a falsidade que as redes sociais ajudam a promover — consoante o uso que é feito destas ferramentas — parece estar a ganhar uma dimensão cada vez maior. Exemplo disso é o que a atriz Olivia Wilde contou ao Huffington Post, ela que tanto publica fotografias suas na passadeira vermelha como no dia-a-dia, despenteada e sem maquilhagem, se for preciso.

“Esse é o mundo real de qualquer mulher. Eu sou tudo isso ao mesmo tempo. Sou mãe, sou profissional, sou chefe, sou empregada. Sou todas estas coisas diferentes”, comentou na passada quarta-feira. “Penso que as redes sociais são uma forma de expressar uma versão honesta de nós próprias, de maneira a que as pessoas possam ver o desenho completo.”

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.