De acordo com uma sondagem do instituto Metroscopia, publicada esta sexta-feira pelo jornal El País, 60% dos catalães não está de acordo com a lei aprovada pelo Parlamento catalão que dá mais autonomia política à comunidade e considerado o primeiro passo para o processo de independência.

A medida, aprovada este mês pela maioria independentista do parlamento, insta que o Governo cumpra exclusivamente os acordos aprovados pela Câmara catalã, incentivando a “desobediência às instituições do Estado espanhol”, segundo relata a publicação. A lei é considerado pelos media espanhóis como o primeiro passo no processo de independência da região.

Ainda segundo o inquérito, feito esta semana a 800 residentes na Catalunha, 58% dos entrevistados acredita que Artur Mas, atual presidente em funções do Parlamento catalão, deveria concluir a negociação com o partido Candidatura de Unidade Popular (CUP) e convocar novas eleições. Apesar de o partido ser favorável à independência da Catalunha, a sua bancada parlamentar não aprovou o programa do líder da coligação “Junts pel Sí” nas duas votações realizadas até o momento.

Sem os votos da CUP, o líder não tem a maioria absoluta no Congresso necessária para garantir a governabilidade – 68 deputados no hemiciclo catalão, contra os 62 assentos do partido de Mas. Segundo o diário El País, a formação quer a independência da comunidade, mas sem a liderança do político.

Os resultados apontam ainda que 21% dos participantes da sondagem acredita que Artur Mas deve continuar as negociações com a CUP, enquanto 11% defendem que Mas comece a conversar com outros partidos, mesmo que isto signifique convocar novas eleições. É de salientar que o eleitorado do partido Junts pel Sí está dividido entre a realização de um novo escrutínio ou na continuidade do diálogo com a Unidade Popular, com um empate de 42% da preferência de votos. A constituição catalã prevê que Artus Mas tem até dois meses para reunir o apoio parlamentar necessário para formar governo.

Quanto às eleições gerais de Espanha, que se vão realizar a 20 de dezembro, há um empate quádruplo: os partidos PSC (Partido de los Socialistas de Cataluña), Ciudadanos, Podemos e Convergència elegeriam 9 deputados, enquanto o PP (Partido Popular) apareceria com 8 assentos parlamentares.