Rádio Observador

Óbidos

Óbidos classificada como vila literária pela UNESCO

1.899

Óbidos e Idanha-a-Nova fazem agora parte da rede de cidades criativas da UNESCO. As duas vilas foram distinguidas nas categorias de "vila literária" e de "vila da música", respetivamente.

É a primeira vez que duas vilas portuguesas entram para a rede de cidades criativas da UNESCO

Carlos Manique

Óbidos e Idanha-a-Nova integram a lista das 47 cidades criativas divulgada esta sexta-feira, em Paris, pela UNESCO. A rede de cidades tem como objetivo promover o desenvolvimento social, económico e cultural, tendo como base as indústrias criativas. As duas vilas foram distinguidas pela organização nas categorias de “vila literária” e “vila da música”, respetivamente.

Em declarações à RTP, Humberto Marques, presidente da Câmara Municipal de Óbidos, disse sentir uma “enorme alegria” e que “esta chancela veio reconhecer Óbidos como uma cidade criativa na literatura”. “Reconhecemos a enorme responsabilidade que é ter um título e um sela com esta importância”

Humberto Marques salientou que a distinção é frito de uma estratégia que tem vindo a ser desenvolvida pelo município há já vários anos. “Acreditamos que os setores de atividade económica podem desenvolver-se se acreditarem na criatividade e inovarem”, referiu.

Na quinta-feira, o presidente da câmara admitiu à Agência Lusa que estava confiante de que a candidatura da vila, que assentou no projeto “Vila Literária”, teria um desfecho positivo. “Ainda no início do mês falei com a gestora de candidaturas. Confirmei que não nos foi pedido que retirássemos a candidatura nem [que prestássemos] qualquer esclarecimento, o que, conhecendo a forma de trabalhar da UNESCO, nos pareceu um bom sinal”, disse Humberto Marques.

O facto de termos uma estratégia de inovação e criatividade muito centrada na literatura e de ter uma rede de livrarias no centro histórico, foi um dos sustentáculos da candidatura”, referiu o presidente da Câmara Municipal de Óbidos.

O projeto “Vila Literária” tem vindo a ser desenvolvido desde 2011 pela Câmara Municipal de Óbidos, em parceria com José Pinho, da editora Ler Devagar. Este resultou na criação de mais de uma dezena de livrarias em “lugares improváveis”, como uma antiga adega e uma escola primária desativada, e em dois dos museus da vila.

Um outro aspeto referido na candidatura foi a realização do Folio — Festival Literário Internacional de Óbidos, que decorreu na vila entre os dias 15 e 26 de outubro. Porém, “os impactos da sua realização, movimentando centenas de autores e atraindo cerca de 30 mil pessoas, não terão peso no processo, que já tinha sido entregue à UNESCO anteriormente”, lembrou o presidente.

A candidatura de Idanha-a-Nova à rede a “cidade da música” foi submetida formalmente à UNESCO no passado mês de julho e foi a primeira do género a ser avançada por uma localidade portuguesa. Em comunicado, a Câmara Municipal de Idanha-a-Nova admitiu que “a classificação agora atribuída significa o reconhecimento internacional do património musical” da vila, um “elemento identitário e um dos principais pilares do seu desenvolvimento económico e coesão social”.

Uma dos pilares da candidatura da vila do distrito de Castelo Branco foi o Fora do Lugar — Festival Internacional de Músicas Antigas, que está neste momento a decorrer. O festival, uma parceria entre a produtora e o Município de Idanha-a-Nova, termina este sábado, dia 12 de dezembro, com um concerto do tenor italiano Marco Beasley, na antiga Sé Catedral.

Artigo atualizado às 17h18 com o comunicado emitido pela Câmara Municipal de Idanha-a-Nova

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)