Centenário

11 canções da “Voz” que tem mesmo de ouvir

Guia essencial para percorrer mais de cinco décadas na vida de Frank Sinatra – com vídeos. O cantor nasceu a 12 de dezembro de 1915, faz agora um século.

A carreira do cantor começou em 1939

Getty Images

O primeiro tema que Frank Sinatra gravou como cantor profissional chamava-se “All or Nothing at All”. Foi em 1939. Tinha assim início a carreira de um dos maiores cantores da música ligeira do século XX. Neste percurso breve que o Observador propõe por 11 temas emblemáticos, começamos precisamente pela canção de 1939 e terminamos com o mais que célebre “Theme from New York, New York”. Pelo meio, há uma versão de “Mrs. Robinson”, de Simon & Garfunkel, e um registo virtuoso de “I’ve Got you Under my Skin”. Sinatra no seu melhor.

Antes, veja aqui as capas dos discos onde apareceram estas músicas.

1. “All or Nothing at All”
Single
1939

É a primeira canção que Sinatra grava como cantor profissional: em 31 de agosto de 1939. Torna-se um dos seus primeiros êxitos, mas só alguns anos mais tarde. Escrito por Jack Lawrence e Arthur Altman, vem a ser incluído pela primeira vez num álbum de Sinatra em 1962, Sinatra & Strings, aí com a orquestra de Don Costa. O vídeo é um registo ao vivo de 1982.

2. “That Old Black Magic”
Álbum Songs by Sinatra
1947

Na gala de tomada de posse de John F. Kennedy, em 1961, Sinatra canta este tema e substitui a palavra “black” por “Jack”, referindo a alcunha pela qual o presidente americano era conhecido. A canção está no álbum de estúdio Songs by Sinatra, de 1947. Vem a ser regravada em 1961 para Come Swing with Me! No filme Paragem de Autocarro, de 1956, Marilyn Monroe interpreta uma versão famosa.

3. “One For My Baby (And One More For The Road)”
Álbum Frankly Sentimental
1949

Fred Astaire tinha-a cantado em 1943, no filme Bailarino por Amor (The Sky’s the Limit). Sinatra canta-a ao piano em Apaixonadas (Young at Heart, 1954), numa cena de restaurante que não faz justiça ao cantor. Editada em 1949 no disco Frankly Sentimental, fala do desamparo do ponto de vista de um noctívago solitário. Segundo o ex-007 Roger Moore, que partilhou muitos bares com Sinatra, a personagem do tema foi muitas vezes o próprio cantor na vida real.

4. “I Get A Kick Out Of You”
Álbum Songs for Young Lovers
1955

É uma das mais populares canções criadas por Cole Porter, mas não atinge a transcendência de outras das suas composições, lê-se no portal allmusic.com. E ainda isto: “Sinatra só precisa de confiar no seu carisma, o que faz por inteiro.” Foi ele que fez do tema um standard, de acordo com Philip Furia no livro Frank Sinatra: The Man, the Music, the Legend.

5. “I’ve Got you Under my Skin”
Álbum Songs for Swingin’ Lovers!
1956

Tema eterno, deu a Sinatra as melhores interpretações de sempre. Escrito também por Cole Porter, é cantado por “old blue eyes” na rádio, em 1946, e gravado em estúdio dez anos depois, com arranjo de Nelson Riddle. A gravação é considerada uma obra-prima e tem sido descrita ao pormenor por vários autores. Não lhe fica atrás este outro registo, em vídeo, da atuação de 1965 no programa especial Frank Sinatra: A Man and His Music, da NBC, em andamento mais rápido que o original e com o verso “baby I know so well” a aparecer já substituído por “I know damn well”.

6. “Come Fly With Me”
Álbum Come Fly With Me
1958

Tema-título do primeiro álbum conceptual de Sinatra, com arranjos de Billy May. Disco sobre aventuras, de toda a espécie, é claro, pela América Latina e pelas Índias. Torna-se presença obrigatória nos concertos ao longo das décadas e vem a ser a canção escolhida pelo cantor Michael Bublé para genérico do disco de estreia, em 2004.

7. “Cheek to Cheek”
Álbum Come Dance With Me!
1959

Em 1959, são já 21 os discos de estúdio, contando com este. Por ele recebe quatro Grammys, os principais prémios da indústria norte-americana de música, incluindo os de Melhor Álbum do Ano e Melhor Cantor Masculino. Com a orquestra de Billy May, e arranjos deste, o disco permite extrair várias preciosidades. “Cheek to Cheek”, de Irving Berlin, é apenas uma.

8. “Strangers in the Night”
Álbum Strangers in the Night
1966

É o álbum que marca o regresso de Sinatra em meados dos anos 60, depois de anos em queda, agora a tentar impor-se como cantor ainda atual. Conseguiu mais do que isso: Strangers in the Night é hoje considerado um dos seus discos fundamentais. Sobre o tema propriamente dito, terá afirmado: “Uma merda, a pior canção que já ouvi.” O vídeo é de 1982.

9. “Mrs. Robinson”
Álbum My Way
1969

Escolha pouco óbvia, apareceu numa lista do Huffington Post com as melhores de Sinatra: “Frank dá uma ajuda a esse fraquíssimo letrista que é Paul Simon e consegue melhorar várias estrofes.” Poderia dizer-se que Sinatra conseguia tornar boas as más canções, mas isso só seria verdade neste caso se ele não tivesse visto aqui um grande tema: gravou-o logo em 1969, um ano depois de Simon & Garfunkel se terem estreado.

10. “My Way”
Álbum My Way
1969

As duas últimas escolhas são óbvias e obrigatórias, mesmo que não sejam Sinatra como os fãs o preferem. Primeiro, “My Way”, que o cantor gravou quando a voz perdia o vigor de forma notável, num álbum homónimo com temas pop e arranjos de Don Costa. É uma das canções mais famosas de todos os tempos, escrita por Paul Anka de propósito para Sinatra, com base na cançoneta francesa “Comme d’habitude”, de Claude François. Vídeo de 1971.

11. “Theme from New York, New York”
Álbum Trilogy: Past Present Future
1979

Por fim, o tema conhecido apenas por “New York, New York”, apresentado à exaustão, como um hino, nos últimos anos de Sinatra e, por isso mesmo, tantas vezes desprezado pelos apreciadores de longa data. Canção da banda sonora do filme New York, New York, de Martin Scorsese, apagou-se na versão original de Liza Minnelli, que depois o cantaria em dueto com “A Voz”. “Uma das peças mais emocionantes que alguma vez cantei”, diz Sinatra neste vídeo.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Centenário

100 anos da Revolução: Porquê na Rússia?

Jaime Nogueira Pinto
294

Lenine e os seus, que no exílio de Zurique souberam com surpresa da insurreição, lograriam depois, da Estação de Finlândia ao assalto ao Palácio Inverno, acender o rastilho do revolucionário século XX

Inovação

Dados, o novo ouro dos tolos

Miguel de Castro Neto

Os dados em si não possuem valor, o valor decorre do seu uso ou, mais concretamente, quando através do seu processamento somos capazes de criar informação que suporta a tomada de decisão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)