Para o primeiro-ministro a história fala por si e por isso não tinha como não ser bem recebido pelos parceiros europeus. À chegada para o Conselho Europeu, António Costa caracterizou assim a receção pelos pares: “Fomos acolhidos calorosamente como é normal para um país que há 30 anos é membro da União Europeia”.

António Costa está em Bruxelas para o Conselho Europeu que entre outras coisas vai discutir a crise dos refugiados e o relatório dos cinco presidentes das instituições europeias sobre o futuro da União. Será o primeiro onde vai encontrar os outros chefes de Governo, depois de ter sido nomeado primeiro-ministro. “É natural que independentemente das mudanças de governo seja sempre bem recebido na União Europeia”, disse Costa. Até porque, acrescentou, a Europa “não é um espaço monolítico, é um espaço democrático”.

Aos jornalistas, Costa não deixou no entanto de criticar o anterior Governo dizendo que a intenção é ter uma nova voz na Europa: “Depois de anos em que Portugal contribuiu de forma tão pobre para aquilo que foi a evolução da Europa, estou certo que podemos retomar uma trajetória de presença ativa nas instâncias europeias”, disse.