Depois do ainda recente divórcio da ex-mulher, o fundador do “Bikram Yoga” foi condenado a pagar quase seis milhões de euros a uma antiga empregada, Minakshi Jafa-Bodden. A advogada de Jafa-Bodden não só acusou Bikram Choudhury de assédio sexual enquanto a mulher era sua funcionária como alegou que a estrela do ioga encobriu outros supostos casos de abusos a estudantes. A antiga queixosa garantiu ainda que foi despedida quando começou a investigar as acusações de uma aluna que dizia ter sido violada pelo guru, conta a BBC.

Mas perante esta e outras acusações que Bikram considerou “grandes mentiras”, o guru do ioga justificou que “eu gosto de mulheres, as mulheres amam-se. Se quero ter relações com uma mulher, não tenho de assediar ninguém”, disse à CNN.

O polémico Bikram fez furor entre as celebridades pelos seus métodos inovadores, principalmente durante os anos 70 nos Estados Unidos, criando uma sequência de 26 posturas de hatha ioga que se realizam numa divisão com cerca de 40ºC de temperatura para simular o ambiente na Índia e conseguir que os músculos fiquem flexibilizados.