Até quinta-feira passada, a Câmara Municipal de Lisboa tinha já recebido 334 participações no processo de consulta pública sobre as obras na Segunda Circular. Estes números foram dados ao Observador pela autarquia, que salientou tratar-se de um balanço provisório, uma vez que o prazo para dar opiniões sobre o projeto só terminou na sexta-feira.

A consulta pública promovida pela câmara iniciou-se em dezembro, entre o Natal e o Ano Novo, o que motivou críticas da oposição ao executivo socialista. A princípio, a data-limite para receber opiniões era 15 de janeiro, mas o prazo acabou por ser alargado até ao dia 29.

Ao longo das semanas, algumas opiniões foram tornadas públicas. O Automóvel Clube de Portugal (ACP), por exemplo, propõe que as obras na Segunda Circular sejam acompanhadas por um conjunto vasto de outros trabalhos na cidade. É uma posição semelhante à que defendeu o ex-vereador da Mobilidade da câmara ao Observador, no início deste mês.

Na próxima segunda-feira, a Assembleia Municipal de Lisboa promove a primeira de duas sessões de um debate temático sobre a Segunda Circular, no qual vão participar uma dezena de entidades. O ACP, a Carris, a ANTRAL, a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária e a ANA Aeroportos são algumas delas. O debate estará ainda aberto à participação do público.