Rádio Observador

Astronomia

Lua visita os cinco planetas alinhados no céu de fevereiro

148

Há 11 anos que os cinco planetas visíveis a olho nu não se alinhavam assim no céu noturno. À medida que vai avançando para a sua fase de Lua nova, o satélite terrestre vai visitando cada um deles.

Céu visível às 6h50 do dia 5 de janeiro em Lisboa mostrando os planetas Mercúrio, Vénus, Marte, Júpiter e Saturno

OAL

Se leu este artigo com atenção sabe que, desde dia 20 de janeiro, é possível ver os cinco planetas mais próximos da Terra alinhados durante a madrugada. Mas se até dia 20 de fevereiro não lhe apetecer levantar antes do Sol nascer, nem mesmo no dia do melhor alinhamento (dia 5), pode sempre aproveitar uma das noites de Carnaval para ver o alinhamento dos planetas antes de ir dormir. Se, pelo contrário, é um madrugador aproveite para ver a Lua a fazer uma visita a cada planeta.

Os planetas apresentam-se no céu na sequência Mercúrio – Vénus – Saturno – Marte – Júpiter quando observados de este para oeste - OAL

Os planetas apresentam-se no céu na sequência Mercúrio – Vénus – Saturno – Marte – Júpiter quando observados de este para oeste – OAL

Claro que os planetas, quando são vistos do espaço, não estão no mesmo plano nem na mesma linha, mas vistos da Terra temos a ilusão de que estão sobre a linha da eclíptica – um círculo imaginário que o Sol parece percorrer ao longo do ano. O Observatório Astronómico de Lisboa até acrescenta que “os planetas estão sempre junto à linha da eclíptica e por isso formam sempre um alinhamento aproximado quando observados da Terra”. “No entanto esse alinhamento só se torna mais notado quando as posições dos planetas na eclíptica estão próximas umas das outras.”

O que torna este evento astronómico tão especial é que os cinco planetas estão todos do mesmo lado do Sol e a Terra encontra-se na extremidade do alinhamento entre eles. A melhor altura para os ver é logo após o nascimento de Mercúrio – na constelação de Sagitário, direção sudeste.

FEVEREIRO_alinhamento planetario_NASA

Esquema do alinhamento aparente dos cinco planetas visíveis no hemisfério norte tendo em conta a posição real dos planetas no sistema solar – NASA & OAL

A última vez que se viu um alinhamento como este foi entre dezembro de 2004 e janeiro de 2005. Mas para ver o próximo alinhamento não precisa de esperar 11 anos: terá um breve período já em agosto deste ano, entre os dias 13 e 19.

Vénus também vai estar visível na constelação de Sagitário a sudeste e será o planeta mais fácil de ver – é o objeto mais brilhante no céu a seguir ao Sol e à Lua. Marte na constelação de Balança, apresenta uma cor avermelhada. Júpiter está na constelação de Leão e Saturno na constelação de Ofiúco. Os outros dois planetas dos sistema solar só se veem com telescópio: Úrano e Neptuno, um na constelação de Peixes e o outro na de Aquário, respetivamente.

planetas horas_fevereiro 2016

Que passeios noturnos fará a Lua em fevereiro?

O primeiro planeta a receber a visita da Lua foi Júpiter nos dias 27/28 de fevereiro. E na madrugada de dia 1 de fevereiro a Lua, em quarto miguante, está por cima de Marte (ligeiramente à esquerda).

Nas manhãs de 3 e 4, a Lua passará por cima de Saturno. Na madrugada de dia 6 de fevereiro – e já próximo da Lua nova (dia 8) -, o satélite terrestre faz um triângulo no céu com Vénus e Mercúrio (mas mais próximo do primeiro planeta do sistema solar).

Fases-da-Lua-fevereiro 2016

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)