O Governo quer duplicar o valor das exportações de frutas e legumes para dois mil milhões de euros em 2020, disse o ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos.

“As exportações hortofrutícolas são um grande objetivo deste Governo. Nós pretendemos, no horizonte desta legislatura, até 2020, duplicar as nossas exportações que, em valor, neste momento, ascendem a cerca de 1000 milhões de euros anuais. Creio que existem condições realistas para que isso aconteça, dado o dinamismo do setor”, destacou o responsável da pasta da Agricultura.

Capoulas Santos que vai estar em Berlim esta quarta-feira para visitar a Fruit Logistica, a maior feira de frutas e legumes do mundo, que decorre até 05 de fevereiro, afirmou ter expectativas “muito positivas” quanto a este evento onde se cruzam “os que exportam e os que importam”, revelando que vai ter um encontro com exportadores portugueses e os seus clientes internacionais que reúne cerca de 150 pessoas.

O ministro salientou que o ritmo das exportações agrícolas “tem vindo a aumentar sustentadamente há mais de uma década” e realçou o dinamismo “muito especial no setor hortofrutícola”, apontando as excelentes condições de solo e de clima que Portugal tem para esta atividade.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Se há, de facto, a nível da concorrência internacional, algumas áreas onde temos mais dificuldades, esta permite que tenhamos dos melhores produtos do mundo que estão a começar a ser conhecidos e apreciados”, afirmou.

Capoulas Santos considerou que os produtores devem apostar na diversificação de mercados e adiantou que se vai deslocar, na próxima semana, a Moscovo para um encontro com o seu homólogo russo.

Um dos objetivos é “aprofundar projetos de cooperação na área da investigação veterinária”, disse o ministro, lembrando que a Rússia decretou recentemente um embargo sanitário devido à peste suína africana e que pretende disponibilizar ‘know how’ (conhecimento) português para cooperar nesta área.

Capoulas Santos pretende também sensibilizar as autoridades russas para a reabertura deste mercado e vai estar presente num encontro com produtores de vinho portugueses. O vinho e o azeite estão fora da lista de produtos agroalimentares europeus sujeitos ao embargo russo.

Portugal conta, pela sexta vez consecutiva, com uma participação conjunta na Fruit Logistica através da Portugal Fresh (Associação para a Promoção das Frutas, Legumes e Flores), que vai juntar dezenas de expositores num ‘stand’ com 450 metros quadrados.