O Governo vai gastar em 2016 mais 149,2 milhões com as Forças Armadas. De acordo com a proposta de Orçamento do Estado (OE) entregue esta sexta-feira, o Executivo de António Costa tem previstos para esta área 2.143,7 milhões de euros. 

O aumento de gastos é na ordem dos 7,4%, sendo que a maior fatia (38,8 milhões) é para comprar mais armamento militar. O Governo vai dar mais 6,5 milhões às Forças Nacionais Destacadas, o que significa que o empenhamento de efetivos militares em missões no exterior vai aumentar.

O aumento de de despesa é ainda justificado pela eliminação dos cortes salariais dos militares acrescido de melhorias nos serviços de ação social (cerca de 25 milhões de euros).

Outro dos ministérios com funções de soberania, o dos Negócios Estrangeiros, sofre um aperto de 1,6%. São menos 6 milhões em relação ao orçamento do ano anterior, ficando nos 374,4 milhões de euros. O Governo explica que o corte tem a ver com a redução de quotizações para organizações internacionais e que, mesmo assim, são registados alguns ganhos devido à extinção, por fusão, do Instituto de Investigação Científica Tropical (decidido pelo anterior Governo).