A União Europeia (UE) também já veio condenar o lançamento de um ‘rocket’ de longo alcance pela Coreia do Norte, considerando a ação como “mais uma grave e flagrante violação” das obrigações do regime e instou o regime da Coreia do Norte a dialogar com a comunidade internacional.

“Estas ações representam uma ameaça direta à paz internacional e à segurança na região e agravam ainda mais as tensões na península coreana para detrimento de todos”, afirmou a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, num comunicado, acrescentando que a Coreia do Norte “deve cumprir as suas obrigações internacionais e abandonar de forma completa, verificável e irreversível os seus programas de desenvolvimento de mísseis balísticos, instalações nucleares e armas de destruição maciça”.

Mogherini reiterou o pedido ao regime de Pyongyang para que “volte a comprometer-se com um diálogo credível e frutífero com a comunidade internacional, em particular no âmbito das conversações a seis” – Estados Unidos, China, Rússia, Japão e as duas Coreias.

A Coreia do Norte anunciou este domingo que lançou um ‘rocket’ de longo alcance, às 9h locais (00h30 de Lisboa), que a comunidade internacional considera ser um teste de mísseis balísticos encoberto. Peritos da Coreia do Sul estimam que o ‘rocket’ possa ter um alcance de mais de 10 mil quilómetros, uma distância superior à que separa a península coreana do território continental dos Estados Unidos da América.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas vai reunir-se de urgência, este domingo, em Nova Iorque por causa do lançamento deste ‘rocket’, noticiou a agência France Presse, citando fontes diplomáticas.

A reunião foi pedida pelos Estados Unidos e pelo Japão, membros do Conselho de Segurança, e pela Coreia do Sul.