São muitas cartas e foram mantidas em segredo até agora. Em 2008, Anna-Teresa Tymieniecka vendeu à Biblioteca Nacional da Polónia a correspondência que manteve durante 32 anos com o Papa João Paulo II. A BBC teve acesso aos documentos e contou a história de uma amizade que Carl Bernstein, que a entrevistou nos anos 90 para o livro His Holiness, descreveu como sendo “extraordinária” e “fascinante”.

Karol Wojtila conheceu Anna-Teresa, uma mulher casada e com três filhos, em 1973, quando ainda era arcebispo de Cracóvia. Durante quatro anos, os dois trabalharam juntos na preparação de uma edição em inglês de um livro de filosofia escrito por Wojtila.

A troca de correspondência foi bastante regular e Wojtila tentou evitar que as cartas fossem interceptadas pela polícia política polaca. Numa delas escreveu: “Há assuntos sobre os quais tenho demasiada dificuldade em escrever”.

O jornalista Ed Stourton, que teve acesso às cartas e preparou uma reportagem que será emitida esta segunda-feira à noite no programa Panorama, da BBC, defende que Anna-Teresa ter-se-á declarado a Wojtila: “Só vi um dos lados da correspondência — as cartas dele para ela — e por vezes, claro, é impossível saber a que é que o cardeal se está a referir. Mas fiz alguma investigação jornalística e acredito que algures na fase inicial da relação entre eles — provavelmente no verão de 1975 — Anna-Teresa Tymieniecka disse a Karol Wojtyla que estava apaixonada por ele.”

O então cardeal nunca deixou de responder às cartas de Tymieniecka, oferecendo-lhe até um escapulário, mostrando assim que a ligação entre ambos era especial. Mais tarde, Wojtila referiu-lhe que o escapulário permitiu “sentir-te em todos os lugares e em todos os tipos de situações, estejas perto ou longe”.

Mesmo quando foi eleito Papa, João Paulo II pediu a Anna-Teresa Tymieniecka que a relação não terminasse, referindo que queria que “a troca de ideias, que eu sempre pensei serem tão criativas e férteis”, continuassem. No entanto, o livro que ambos preparavam não foi bem recebido, e quando se preparava a impressão e lançamento do volume o Vaticano recorreu aos tribunais e acusou-a de desvirtuar as ideias do Papa.

Depois deste incidente a relação arrefeceu, mas anos mais tarde a correspondência e os encontros regressaram. A BBC diz mesmo que as fotografias e cartas mais tocantes a que teve acesso são relativas ao período em que ambos já se encontravam numa idade mais avançada.

A última visita de Anna-Teresa Tymieniecka deu-se no ano de 2005, um dia antes de João Paulo II morrer. O jornalista responsável pela reportagem refere que nada do que encontrou seria motivo para impedir a canonização do Papa, em 2014, apesar de não ter tido oportunidade de confirmar se a correspondência entre os dois foi tida em conta no processo ou não.