O porta-voz da associação portuguesa dos industriais do calçado, APICCAPS, revelou que este será um ano difícil para o setor no mercado europeu, razão pela qual os empresários querem reforçar a aposta em países como China e Austrália.

“Os sinais que vamos recebendo do mercado é que 2016 vai ser um ano difícil [para o setor], nomeadamente no mercado europeu, o que nos leva a reforçar a aposta fora da Europa, que tem sido de crescimento”, afirmou Paulo Gonçalves à Lusa.

O responsável da Associação dos Industriais de Calçado, Componentes, Artigos de Pele e Seus Sucedâneos (APICCAPS), que termina quarta-feira mais uma participação na maior feira de calçado do mundo, a Micam em Milão, destacou que o setor cresceu para fora da União Europeia “mais de 30% ao ano na última década”, nomeadamente para mercados como EUA e Canadá, Emirados Árabes Unidos, Japão e China e Austrália.

Na China, Portugal é hoje “um dos grandes fornecedores de calçado”, ocupando o quinto lugar num país em que um par de sapatos portugueses custa cinco vezes mais que os produtos nacionais.

A par da China, que “quer comprar” sapatos ‘Made In Portugal’ pela qualidade, a Austrália tem vindo a assistir ao crescimento do setor que para ali tem exportado cerca de 15 milhões de euros de produtos por ano.

“Nos próximos cinco anos vamos investir 80 milhões de euros em internacionalização”, adiantou o porta-voz do setor que quer, até 2020, aumentar o peso das exportações para fora da União Europeia até aos 20%.

EUA e Canadá são também mercados internacionais onde o calçado português tem dado passos firmes e para onde o setor já exporta cerca de 100 milhões de euros ao ano.

Para o sucesso deste processo em muito contribuiu a campanha da APICCAPS lançada em 2009 com o ‘slogan’ “The Sexiest Industry In Europe”, ou indústria mais sexy da Europa, que fez aumentar as exportações do setor em 50%.

“O setor está há seis anos consecutivos com exportações a aumentar”, lembrou o porta-voz da associação que nesta edição da feira de calçado Micam levou 95 empresas até Milão em “mais um momento de afirmação” do ‘cluster’ do calçado português que assim se mostra e apresenta.

Pela primeira vez a expor em Milão, a Step 5 é uma empresa de calçado português que exporta 100% da produção, especialmente para a Alemanha, Áustria, Dinamarca e Austrália, “países que se preocupam com questões sociais, higiene e segurança”, explicou Paula Tavares, diretora da marca que nasceu em 2007 e é agora responsável por 40 postos de trabalho em Santa Maria da Feira.

Também a estrear-se na Micam, a Apple of Eden exporta igualmente 100% da sua produção de sapatos “que são uma tentação”, brinca Nelson Gomes, gerente da marca com seis anos que vende 80% para a Alemanha, quer apostar em França e até abrir a primeira loja em Portugal na cidade do Porto.

A Micam, que decorre até quarta-feira em Milão, conta com a participação de 95 empresas portuguesas, responsáveis por 500 milhões de euros em exportações.

As exportações portuguesas de calçado encerraram 2015 com um “crescimento ligeiro” de 1%, equivalente a um novo máximo histórico de 79 milhões de pares no valor de 1.865 milhões de euros.