O primeiro-ministro britânico, David Cameron, disse esta quinta-feira em Bruxelas que espera do Conselho Europeu um “acordo melhor” com a União Europeia, que permita evitar a saída do Reino Unido do bloco europeu, o chamado ‘Brexit’. “Com boa vontade e trabalho duro, conseguiremos um acordo melhor para o Reino Unido”, disse Cameron, em declarações à entrada do Conselho.

“Temos muito a fazer ainda hoje e amanhã [sexta-feira], e vai ser duro”, salientou ainda Cameron á chegada à cimeira, acrescentando que aceita “um bom acordo” e afastando a hipótese de dar o seu aval a uma proposta “que não vá ao encontro” do que o reino Unido precisa. “É muito mais importante fazermos isto bem do que sermos apressados”, acrescentou.

Também o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, disse, à entrada para a cimeira, que as negociações para evitar a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) são “muito difíceis e sensíveis”. “Uma coisa é clara para mim: nesta cimeira, ou vai ou racha”, sublinhou.

À entrada para a cimeira, também o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, mostrou-se confiante de que no final dos dois dias de reunião haverá acordo. “Estou muito confiante de que teremos acordo”, disse, acrescentando no entanto que “ainda há muito a discutir em alguns pontos”. Um dos pontos mais controversos é a insistência do Reino Unido sobre a restrição dos benefícios sociais para os trabalhadores que sejam originários de outros países da UE, uma medida que promete elevar os ânimos junto dos representantes dos países do leste da Europa. 

Também a chanceler alemã Angela Merkel sublinhou que há ainda “questões em aberto”, mas garantiu que os líderes europeus irão “fazer tudo o que estiver ao alcance para criar as condições necessárias à permanência da Grã Bretanha na União Europeia”. 

Um referendo sobre a permanência do Reino Unido na UE poderá ter lugar este verão, se houver acordo na sexta-feira, o segundo e último dia da cimeira. Cameron quer, nomeadamente, limitar a livre circulação de trabalhadores e reduzir as regalias sociais de estrangeiros no Reino Unido.