“Chamo-me Bree Olson, sou ex-atriz porno e, desde que me retirei, tenho estado em silêncio”. Bree Olson pôs fim a esse silêncio que começou em 2011, quando decidiu que queria ser respeitada em sociedade e, por isso, abandonou a indústria porno. Diz ela que o verdadeiro “drama de discriminação” começou quando quis integrar-se na vida corrente, quando quis fazer novos amigos, ter um emprego, ou quando quis sair à rua sem ser olhada “como se tivesse ‘porca’ escrita na testa”. Hoje, Bree aconselha as raparigas a “não entrarem no porno”.

Bree Olson entrou para a indústria aos 19 anos e foi a estrela de quase 300 filmes para adultos. Decidiu sair aos 25. Diz que abdicou de “30 a 60 mil dólares por mês” (entre 26 mil e 53 mil euros), mas hoje arrepende-se de ter abandonado a carreira. Depois de lhe serem negadas sucessivas ofertas de trabalho, inclusivamente na indústria mainstream de filmes, trabalha como “modelo de webcam” — um termo para mulheres e homens que protagonizam atos sexuais para webcams, em direto, para internautas que estão do outro lado.

“O porno é a única indústria em que, quanto mais bem sucedida for uma mulher, mais vai sofrer até ao resto da vida”, disse no texto que se tornou viral. Em entrevista ao Observador, a ex-atriz conta como tudo começou, explica o lado bom e o lado mau da profissão e imagina a vida que teria hoje se não tivesse abandonado o curso de Biologia.

As pessoas tratam-me como se eu fosse pedófila. Não me tratam como uma ex-trabalhadora da área do sexo. Tratam-me como se eu fosse perigosa para as crianças. O porno não me fez mal. O que me faz mal é a forma como as pessoas me tratam por ter feito porno”.

Estavas a estudar biologia, certo? Quando é que te interessaste pela indústria porno?
Sim, estava a estudar biologia e também tinha um emprego a tempo inteiro como operadora de telemarketing. A minha vida corria perfeitamente bem. Na altura tinha curiosidade em experimentar, em saber como é que funcionava. Era um daqueles desejos de adolescente. Não fazia a mínima ideia do quão lucrativo era ou de quão rápido poderia conseguir uma carreira na área.

Como era a vida como atriz porno?
Era a vida normal de quem trabalhava no porno. Apanhava o avião para a Califórnia, trabalhava durante duas semanas, apanhava o voo de volta para casa e estava com a minha família e com os meus amigos. Foi assim o tempo todo em que estive na indústria. Simplesmente voava de e para o Indiana, que é o sítio onde nasci e onde vivo. Nunca me aconteceu nada de mal, como violações, nem nunca me meti em drogas. Para mim era só trabalho. Depois de um tempo, tornou-se aborrecido e eu fartei-me, tal como acontece com qualquer trabalho que faças se não estiveres verdadeiramente apaixonada por aquilo que fazes.

O que é que a indústria porno tem de bom?
Dinheiro rápido. É só isso. Mas atenção que não é dinheiro fácil. Há uma razão para que o ordenado seja elevado: eu vou ter de viver para o resto da vida com o julgamento das pessoas.

Porque é que decidiste sair?
Saí porque queria que as pessoas me respeitassem. O respeito tornou-se mais importante do que o dinheiro. Mas as pessoas não passaram a respeitar-me. Na verdade, o julgamento permaneceu igual. Sinceramente, quem me dera não ter saído.

No texto dizes “Quando saio de casa, sinto-me como se tivesse ‘porca’ escrita na testa”. Mas em que é que se traduzem esses olhares, na prática?
Naqueles encontros regulares e naquelas conversas de circunstância não é assim tão mau. À primeira vista não é nada de grave. O pior é quando quero fazer alguma coisa, quando tenho uma ideia e quero concretizá-la. Por exemplo, quando quero fazer um website, começar um negócio, quando tento contratar alguém. As pessoas recusam associar-se a mim.

Achas que há diferença entre ser ex-atriz porno e ex-ator porno?
Acho que não é igual. Mas não sei de que tipo seria porque não nasci homem e não consigo imaginar como seria.

Percebi que nunca poderei voltar atrás e ser enfermeira, professora, ou trabalhar numa empresa. Podem despedir-me por “razões morais” porque os clientes se sentem “desconfortáveis” na minha presença”.

Sasha Grey também é ex-atriz porno mas conseguiu entrar na indústria mainstream. Teve sorte?
Não. Ela trabalha muito. Não a conheço muito bem mas, segundo o que sei, ela é uma mulher muito inteligente e muito forte.

Hoje fala-se muito em valores feministas, entre eles a ideia de que “uma mulher deve fazer o que quiser com o seu corpo”. Mas tu aconselhas as raparigas a não entrarem no porno. Porquê?
Eu digo às raparigas jovens para não entrarem no porno por causa do julgamento e dos juízos de valores que vão ouvir. Vai ser muito difícil depois arranjar emprego, fazer novos amigos, progredir na carreira, ser levada a sério, etc.

O que eu digo às miúdas é para terem cuidado. As coisas não correm bem quando sais da indústria. Tornas-te uma parte segregada da sociedade sem nenhum grupo civil de direitos [como um sindicato] para te proteger. A vida já é dura o suficiente, não faças isso a ti própria. O dinheiro não compensa a dor que a sociedade te vai fazer passar.

Estás a ponderar voltar ao porno?
Não.

Imagina que tinhas continuado a estudar biologia. Quem seria a Bree Olson hoje?
Neste momento já seria médica ou estava quase lá. Mas, honestamente, acho que não seria uma pessoa diferente. Nós somos o que somos, nada pode mudar isso. Claro que podemos mudar alguns comportamentos mas não podemos mudar o que somos na essência. Acho que, mesmo sendo médica, iria encontrar coisas que me irritassem ou com as quais não ia concordar. Por exemplo, a forma como os seguros de saúde se aproveitam dos pacientes, a forma como as grandes empresas farmacêuticas controlam a medicina. Acho que também teria grandes lutas, embora fossem diferentes. Provavelmente seria daquelas médicas que teria um posto para prestar cuidados de saúde de forma gratuita ou viajaria pelo mundo a oferecer ajuda às pessoas que não têm acesso a um médico. Não sei. Vemos injustiças em todo o lado, em todas as facetas da vida, eu sou apenas aquele tipo de pessoa que faz alguma coisa e que quer ajudar, que quer fazer a diferença. A minha vida seria mais fácil se eu não fosse assim. Se eu ficasse com a cabeça para baixo, se eu me preocupasse só com a minha vida, seria mais fácil. Mas não consigo. Eu quero ajudar, faz parte de mim.