Rádio Observador

Conflito na Ucrânia

Putin critica sanções da UE por considerar que impedem “cooperação verdadeira”

O presidente russo criticou as sanções da União Europeia por considerar que impedem uma "cooperação verdadeira" e um relacionamento benéfico, mas a Alemanha já recusou qualquer recuo da Europa.

ALEXEI DRUZHININ / SPUTNIK / KREMLIN POOL/EPA

O presidente russo Vladimir Putin criticou hoje as sanções da União Europeia (UE) por considerar que impedem uma “cooperação verdadeira” e um relacionamento benéfico, mas a Alemanha já negou qualquer recuo por parte da Europa.

“A Rússia defende a necessidade de manter um diálogo com a UE no espírito de igualdade e de uma verdadeira parceria numa variedade de questões que vão desde a liberalização dos vistos à formação da aliança energética”, disse Putin em declarações ao jornal grego Kathimerini, na véspera da sua visita à Grécia.

Segundo o presidente, a Rússia não vê qualquer “vontade” por parte da UE para empreender este caminho “promissor” que seria um “benefício mútuo”.

“A Rússia e a União Europeia chegaram a um ponto em que devemos responder à seguinte pergunta: Como vemos o futuro das nossas relações e como vamos continuar?”, disse Putin, insistindo na sua visão de criar uma “zona de cooperação económica e humanitária” baseada numa arquitetura de segurança em pé de igualdade.

A harmonização dos processos de integração da Europa e Eurásia seria um passo importante nesse sentido, acrescentou.

Em causa estão as sanções da UE à Rússia impostas devido à ocupação da Crimeia no conflito no leste da Ucrânia.

Putin considera que as sanções provocaram uma redução do comércio bilateral com a Grécia, um país que considera ser um “parceiro importante” na Europa com a qual mantém uma “amizade secular” e partilha a cultura e valores religiosos.

Segundo o presidente russo, o comércio com aquele país caiu um terço no ano passado (2.460 milhões de euros).

No entanto, o chefe de Estado russo está otimista de que as relações com a União Europeia possam voltar ao normal: “Acreditamos que as nossas relações com a UE não vão enfrentar problemas que não conseguiremos resolver. Para voltarmos a ter uma cooperação multifacetada, devemos deixar de lhe dar uma deficiente abordagem unilateral. É necessário criar um verdadeiro respeito pelas opiniões e interesses dos outros”, diz.

Entretanto, o ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schäuble, já veio defender que as sanções económicas à Rússia devem ser mantidas por considerar que Moscovo não fez progressos na implementação dos compromissos de Minsk.

Em declarações aos jornalistas, Schäuble disse que a maioria da Europa entende que as sanções devem ser mantidas e que “infelizmente não é possível remover as sanções”.

A União Europeia não pode aceitar, argumentou o ministro, o uso de “violência” para resolver conflitos políticos.

Os acordos de resolução do conflito, assinados em Minsk, na Bielorrússia, em fevereiro do ano passado, sob a mediação francesa e alemã na presença do presidente russo, Vladimir Putin, pedem o cessar-fogo, juntamente com uma série de medidas políticas, económicas e sociais para acabar com o conflito no leste da Ucrânia.

Para Schäuble, melhorar as relações entre Berlim e Moscovo é algo que deve acontecer “hoje em vez de amanhã”.

Contudo, o ministro referiu que a resolução do assunto não está nas mãos do Governo alemão e que depende da vontade da Rússia, um país “importante” para a Alemanha, tanto em termos políticos como económicos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)