António Domingues foi convidado para dirigir a Caixa Geral de Depósitos, mas vai continuar a recolher os benefícios de ter trabalhado 27 anos no BPI, graças ao pedido de antecipação de reforma, noticiou o Expresso.

O BPI aceitou que o ex-vice-presidente antecipasse em seis meses a reforma. Para quem tem mais de 16 anos de serviço e mais de 60 anos o benefício será de 100% do vencimento mensal fixo do mês anterior à data do pedido da reforma. O gestor completa 60 anos em dezembro, o que justifica o pedido de antecipação da reforma.

Segundo revelou o ministro das Finanças, Mário Centeno, esta semana, a nova gestão da Caixa liderada por António Domingues irá entrar em funções em julho, depois dos pareceres dos reguladores europeus. No entanto, o Expresso adianta que o gestor que veio do BPI aguarda também a aprovação das condições da recapitalização da Caixa Geral de Depósitos para tomar posse. O processo ainda está em negociações com a Comissão Europeia que pediu mais informação a Portugal.

Entretanto o gestor já garantiu que outras exigências fossem aceites pelo Governo, como alterações às remunerações pagas aos gestores, deixando CGD de estar sujeita ao estatuto de gestor público. Esta alteração vai permitir um aumento das remunerações pagas aos administradores. A Caixa terá ainda um conselho alargado com 19 administradores, dos quais sete serão executivos.