Mariano Rajoy apelou a um acordo rápido e de mínimos que permita a Espanha ter um governo que possa governar. O líder do Partido Popular, que venceu as eleições de junho, defendeu esta segunda-feira a necessidade de chegar a um “acordo de mínimos” que permita o funcionamento normal do governo no Parlamento. Esse acordo incluiria a proposta de Orçamento do Estado para 2017, um teto para a despesa e o cumprimento dos compromissos europeus.

Espanha, que está com um governo de gestão desde dezembro de 2015 por causa do impasse político, enfrenta tal como Portugal a ameaça de sanções por parte da União Europeia devido ao incumprimento das metas do défice do ano passado. O PP voltou a ganhar as legislativas de 26 de junho, reforçando a votação, mas ainda sem conseguir alcançar a maioria para assegurar por si só a formação de um executivo.

O primeiro-ministro ainda em funções, comentava as negociações para a formação de um governo à margem de uma visita à fábrica de produção de cerveja Mahou-San Miguel em Alovera (Guadalajara). Rajoy, que vai iniciar ronda de negociações com a Coligação Canária para tentar chegar a um acordo, sublinhou que se deve evitar o “disparate” de umas terceiras eleições. Espanha foi a votos em dezembro do ano passado e voltou a realizar eleições em junho deste ano, depois de vários meses de impasse nas negociações para formar um executivo.