Rosto

Manchas no rosto: o que são, porque aparecem e como tratar

149

Quando somos jovens, as sardas dão-nos um ar fofinho. No entanto, à medida que os anos passam transformam-se em manchas escuras e marcas da idade que mexem com a auto-estima das mulheres.

Autor
  • Helena Magalhães

Estudos realizados pela marca Caudalie em vários países europeus dizem que uma em cada duas mulheres tem manchas na pele. E a pior parte de se ter manchas é que o pigmento castanho penetra cada vez mais na derme ao longo do tempo e de forma rápida. Isto significa que muito dificilmente se consegue “apagar” uma mancha antiga e mais do que prevenir é preciso saber agir imediatamente. A revista americana Allure diz que, quando uma mancha é relativamente nova (no máximo com seis meses), é fácil reverter a hiperpigmentação que pode ser praticamente anulada em dois meses.

Todas aquelas sardas que, quando somos novas, nos dão um ar fofinho, com o passar da idade tornam-se simplesmente uma marca da idade e um sinal de que a nossa pele já está danificada. E para quem tem hiperpigmentações em jovem, é obrigatória uma consciencialização do que as manchas vão fazer à pele ao longo dos anos. Principalmente porque são um dos problemas de pele que mais mexe com a auto-estima das mulheres adultas. Qualquer que seja a sua dúvida no que toca a este tema, vamos tentar responder-lhe.

O que causa as manchas na pele?

A maioria das manchas tem um tom acastanhado e está relacionada com a exposição não protegida ao sol que as vai criar e acentuar. Mas há outros fatores que podem aumentar o risco de se desenvolver manchas: predisposição genética, alterações hormonais como o acne, gravidez, menopausa, dietas erradas, distúrbios da tiroide e toma de medicamentos fotossensibilizantes estão entre os fatores mais comuns.

Holiday, Portrait, Women, Females, Straw Hat, Hat, Vacations, Eyelash, Human Eye, Freckle, People, Shadow, Summer, blick, intensiv, People, Weibliche Person,

Proteger o rosto do sol é fundamental. (Foto: Getty Images/iStock)

Onde aparecem mais manchas?

Aparecem nas zonas da pele expostas ao sol, principalmente no rosto. Mas também podem aparecer no pescoço, no peito, nos braços e mais frequentemente em mulheres que em homens.

Porque aparecem?

Trocando por miúdos, as manchas aparecem quando os melanócitos (responsáveis pela produção de melanina, o pigmento da pele que nos protege dos raios UV) produzem melanina em excesso sob estímulos normais. Isto acontece normalmente quando a pele fica danificada em alguma área particular. Acaba por haver uma acumulação de pigmento nessa área e o seu escurecimento. Essa acumulação pode ficar somente à superfície (na epiderme e mais facilmente tratada), chegar até à derme (camada mais profunda), ou mesmo atacar logo ambas, o que acaba por tornar o tratamento mais difícil.

Como prevenir o aparecimento de manchas?

A principal coisa a fazer será utilizar protetor solar sempre que estiver exposta ao sol e evitar as horas de maior calor. Mas há mais algumas coisas a ter em conta:

  • Proteger as zonas do corpo mais propensas como o pescoço, peito e braços com vestuário adequado.
  • Usar hidratante diariamente para manter a pele hidratada e evitar o envelhecimento precoce que também acentua as manchas.
  • Para quem já tem propensão para o aparecimento de manchas (quem tem sardas, por exemplo), é indispensável aplicar produtos anti-manchas não fotossensibilizantes antes do protetor solar. E quem já nota algumas manchas após a exposição solar, aconselhamos iniciar um tratamento especifico o mais rápido possível.
  • Para se conseguir fazer o melhor tratamento é necessário identificar o tipo de manchas. Em estágios avançados, a ida ao dermatologista é obrigatória.

Na fotogaleria, em cima, destacamos alguns produtos tópicos para prevenir, corrigir, aclarar e eliminar manchas que podem ser uma grande ajuda em estágios iniciais ou a adiar a ida à faca, que é como quem diz, recorrer a tratamentos mais agressivos como lasers e peelings.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)