Rádio Observador

Indústria Farmacêutica

Farmacêutica israelita Teva fecha compra da Actavis Genéricos

A farmacêutica israelita Teva Pharmaceuticals comprou as operações de genéricos da Allergan, num negócio avaliado em mais de 40 mil milhões de dólares. Mercado das farmacêuticas está a mexer.

Sede da unidade francesa da Teva. (Foto: FRED DUFOUR/AFP/Getty Images)

FRED DUFOUR/AFP/Getty Images

A Teva Pharmaceutical Industries concluiu a aquisição da divisão de genéricos da gigante Allergan, a Actavis Generics, obtidas as aprovações por parte dos reguladores. A aquisição une as operações de genéricos da Teva, uma empresa que tem unidade em Portugal desde 2004, e da Actavis, num negócio avaliado em mais de 40 mil milhões de dólares, o equivalente a 36,55 mil milhões de euros.

“A aquisição da Actavis Genéricos realiza-se num momento em que a Teva está mais forte que nunca, tanto na área dos genéricos como nas especialidades”, afirmou Erez Vigodman, presidente da multinacional israelita, em comunicado enviado ao mercado. “Estamos confiantes de que podemos alcançar as sinergias necessárias para obter benefícios para os nossos investidores e integrar rapidamente a Actavis na Teva Genéricos”.

A aquisição reforça a presença da Teva no mercado dos genéricos, que já lidera, mas o presidente da empresa disse, nos últimos dias, que podem estar na mira aquisições em outras áreas. Em entrevista à Bloomberg, Erez Vigodman afirmou que a Teva “não limita o seu negócio aos genéricos. A nossa visão é muito mais vasta”.

Com a injeção financeira obtida com este negócio, a Allergan, que tem sede na Irlanda, poderá avançar com aquisições noutras áreas. Um alvo possível, segundo notícias desta semana do The Wall Street Journal, pode ser a Biogen, que também tem operações em Portugal e tem como uma das áreas principais as terapêuticas para a esclerose múltipla. A Biogen está, também, segundo o jornal financeiro, a suscitar a cobiça da Merck.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Eleições

Eis o social - ismo

Luís Areias

O mais grave é que, tipicamente, o Estado não só não se preocupa em economizar, pois os recursos não foram ganhos com suor mas sim tirados coercivamente aos contribuintes, como nunca maximiza o valor.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)