As fotografias tornaram-se virais na internet. As imagens mostravam uma praia escondida, apenas com um buraco circular para o exterior. O acesso ao areal só era possível a nado e era necessário percorrer uma distância de 150 metros. Mais tarde, surgiram barcos a fazer a ligação entre esta praia e Puerto Vallarta.

Em fevereiro deste ano, o jornal britânico The Guardian considerou-a uma das praias mais bonitas do mundo. Esta nomeação fez com que milhares de turistas quisessem visitar o local que fica a poucos quilómetros de Punta Mita, México. Segundo o El País, nesta Páscoa, a “praia escondida” ou “praia do amor” chegou a receber cerca de 3 mil pessoas por dia – tem apenas 690 metros quadrados de areia branca.

Alejandro del Mazo, responsável pela Comissão Nacional de Áreas Naturais protegidas do México (CONANP), disse que: “tivemos que fechar a praia devido ao turismo desorganizado e massivo”. A enorme afluência e a falta de civismo levou a que houvesse pastilhas elásticas coladas aos recifes de corais.

As autoridades fecharam esta praia no dia 9 de maio e reabriram-na no dia 31 de agosto. No entanto, foi imposto um limite máximo de 116 visitantes diários, divididos em grupos de 15 pessoas que já não poderão fazer mergulho para ver os corais.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O turismo descontrolado é um dos problemas das ilhas mexicanas. Esta praia, por exemplo, já se encontrava protegida desde 2005, abrangida pelo Parque Nacional das Ilhas Marietas. Em 2007, o programa de conservação elaborado pela CONANP assinalava que “na zona conhecida como Praia do Amor, concentram-se uma grande quantidade de visitantes que defecam a céu aberto, geram lixo e atiram pedras aos pássaros”.

O Governo tencionar proteger todas as ilhas mexicanas, cerca de 914, ainda antes do final deste ano.