436kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Brasil. Dilma considera que acusação contra Lula volta a ferir a "democracia"

Este artigo tem mais de 5 anos

Dilma lamentou "que uma denúncia sem provas" tenha sido feita contra Lula e a sua família. O Ministério Público Federal acusou Lula, a sua mulher e outras seis pessoas no âmbito da Operação Lava Jato.

Dilma classificou a acusação como uma tentativa de "impedir a sua [de Lula] candidatura em 2018"
i

Dilma classificou a acusação como uma tentativa de "impedir a sua [de Lula] candidatura em 2018"

Antonio Lacerda/EPA

Dilma classificou a acusação como uma tentativa de "impedir a sua [de Lula] candidatura em 2018"

Antonio Lacerda/EPA

A ex-Presidente do Brasil Dilma Rousseff afirmou, na quarta-feira, que, com a acusação contra o ex-chefe de Estado Luiz Inácio Lula da Silva na Operação Lava Jato, “a democracia volta a ser ferida”.

“Mais uma vez, uma grave injustiça é cometida sem fundamentos reais. Agora, o alvo é o ex-Presidente Lula”, comentou, nas redes sociais, a chefe de Estado afastada do poder a 31 de agosto passado.

A sucessora de Lula da Silva opinou que “é evidente que esta denúncia [acusação] atende ao objetivo daqueles que pretendem impedir a sua candidatura em 2018”, ano de presidenciais.

“É lamentável que uma denúncia sem provas seja feita contra o Presidente Lula e a sua família”, referiu, acrescentando: “Certamente, ele saberá defender-se e as pessoas de bem saberão reagir”.

O Ministério Público Federal (MPF) acusou, na quarta-feira, o ex-Presidente, a sua mulher, Marisa Letícia, Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula, Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, e outras quatro pessoas ligadas à mesma empresa de construção civil por crimes de corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro.

Trata-se da primeira denúncia contra o ex-chefe de Estado enviada para o juiz Sérgio Moro, responsável pelos casos da Operação Lava Jato, que trata do maior esquema de corrupção da história do Brasil, na Justiça Federal do Estado do Paraná.

Em conferência de imprensa na quarta-feira, o procurador Deltan Dallagnol, que coordena a força-tarefa [de investigação] da Operação Lava Jato em Curitiba, acusou Lula da Silva de ser o “o comandante” que “determinou a realização e a continuidade da prática dos crimes” num mega-esquema de corrupção associado à petrolífera Petrobras.

A página de Facebook de Lula da Silva foi atualizada de forma a mostrar que o ex-Presidente “não é o dono de nenhum apartamento no Guarujá:

Dilma Rousseff, que foi afastada do poder por irregularidades orçamentais num polémico processo de destituição, referiu, várias vezes, ser vítima de um golpe e que, mais do que o seu mandato, era a democracia do país que estava em causa no processo.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.