A empresária Isabel dos Santos congratulou-se com o resultado da votação de quarta-feira na assembleia-geral do BPI. Os acionistas do banco liderado por Fernando Ulrich aprovaram a desblindagem dos estatutos, o que permite que a OPA do CaixaBank sobre o BPI avance. Para Isabel dos Santos, que detém 18,6% do BPI e que se absteve na votação, este resultado reflete “o consenso entre os acionistas”.

Numa nota enviada às redações, a empresária angolana escreve ainda que “estão reunidas as condições para que tanto o BPI como o BFA [Banco de Fomento de Angola, controlado em 51% pelo BPI] possam consolidar as suas posições nos mercados português e angolano”.

Para já ainda não se sabe se Isabel dos Santos vai vender a participação que tem no BPI ao CaixaBank, que aumentou a proposta de aquisição de 1,11 para 1,13 euros.

Na votação da desblindagem dos estatutos do banco, Isabel dos Santos absteve-se. A empresária era, até aqui, contra essa alteração, mas uma carta enviada na terça-feira pelo BPI para Luanda, com uma proposta de venda de 2% do capital do Banco do Fomento de Angola à Unitel, empresa controlada pela empresária angolana, terá sido determinante para a mudança de opinião de Isabel dos Santos. Controlar a maioria do capital do BFA é uma pretensão antiga da empresária. Porém, ainda não se sabe se a angolana aceitará a proposta do BPI.