O Governo da Lituânia está a negociar com a Noruega a compra por cerca de 100 milhões de euros de um sistema de defesa antiaéreo, num contexto de tensões com a Rússia, revelou o ministério da Defesa em Vilnius.

“Prevemos cerca de 100 milhões de euros pelo sistema NASAMS”, indicou à agência noticiosa France-Presse o porta-voz do ministério da Defesa, Vaidotas Linkus.

Este sistema inclui mísseis de médio alcance, que formariam o primeiro “escudo” do género nos países bálticos, acrescentou, sem fornecer mais detalhes.

As relações entre a NATO, que a Lituânia também integra, e Moscovo registam numa crise inédita desde o final da Guerra fria, após a anexação da Crimeia pela Rússia em 2014.

Em julho passado, a NATO decidiu deslocar quatro batalhões multinacionais para os três países bálticos — Estónia, Letónia e Lituânia, três ex-república soviéticas independentes desde 1991 –, e para a Polónia, após as “inquietações” manifestadas por estes países face ao vizinho russo.

Os Estados do Báltico não teriam qualquer capacidade de resistir a um suposto ataque das forças russas, mas procuram reforçar os seus exércitos para dificultar ao máximo uma potencial ação militar agressiva.

“A ausência de um sistema de defesa antiaérea tornaria ainda mais provável um eventual ataque relâmpago com forças limitadas”, sugeriu à France-Presse o coronel na reforma Ignas Stankovicius.

Na semana passada, os aviões da NATO descolaram sete vezes para escoltarem aparelhos militares soviéticos que voavam sobre o Mar Báltico, não longe dos países bálticos.

A Rússia tem frequentemente desmentido qualquer ambição territorial e acusa os ocidentais de estarem a alterar a seu favor o equilíbrio de forças junto às suas fronteiras.