Morreu esta quinta-feira o rei da Tailândia, anunciou em comunicado a casa real. Bhumibol Adulyadej tinha 88 anos e estava no poder há 70 — era o monarca com o reinado mais longo da atualidade. O soberano estava internado num hospital de Banguecoque e lá morreu, mas o palácio não divulgou mais detalhes sobre o assunto.

O rei Bhumibol subiu ao trono em 1946, com apenas 18 anos, e tornou-se numa figura unificadora da Tailândia, país governado há dois anos por uma junta militar e mergulhado em instabilidade política há décadas. Nascido nos Estados Unidos da América e educado na Suíça, Bhumibol não estava destinado a ser rei, mas o homicídio do irmão, Amanda Mahidol, em 1946, alterou-lhe a vida definitivamente.

Fluente em quatro línguas, velejador, compositor de música, tocador de saxofone e clarinete, escritor, fotógrafo, inventor e pintor, o rei tailandês era venerado pelo povo, apesar de raramente aparecer em público nos últimos anos. Há quase um ano que o rei, de cognome “o Grande”, não tinha qualquer aparição. Várias centenas de pessoas têm feito vigílias à porta do hospital onde Bhumibol esteve internado. O monarca sofria de problemas respiratórios e cardíacos. Na Tailândia, a figura real tem um estatuto semelhante a divindade.

Ao longo dos setenta anos de reinado, o monarca caracterizou-se por um estilo de vida sóbrio e pela defesa da cultura e valores tradicionais tailandeses. Essa postura deu-lhe legitimidade para intervir em momentos delicados da vida do país. O rei da Tailândia não tem poderes políticos efetivos, mas Bhumibol, através pelo interesse que demonstrou em diversos projetos de desenvolvimento de infraestruturas, conseguiu transformar a monarquia numa das instituições mais importantes do país. A isso não é alheio, igualmente, o facto de a Tailândia ter leis que punem duramente as críticas abertas à monarquia.

O novo rei da Tailândia será o filho de Bhumibol, Maha Vajiralongkorn, de 64 anos. O perfil de Vajiralongkorn é bastante diferente do do pai. Frequentemente descrito como um playboy, o príncipe herdeiro já foi casado três vezes e tem sete filhos, o segundo deles concebido com a segunda mulher quando ainda era casado com a primeira. Há pouco mais de um ano, Vajiralongkorn foi notícia por alegadamente estar a pensar casar com uma assistente de bordo das linhas aéreas tailandesas.